Opiniões Interestelares

Opiniões

“Glória Sombria” É Recomendado na Internet

O primeiro romance do Universo GalAxis, Glória Sombria: A Primeira Missão do Matador, de Roberto Causo, foi recentemente recomendado na internet. O livro pertence ao Ciclo pós-Retração Tadai, da série As Lições do Matador.

 

 

 

Arte de capa de Vagner Vargas.

 

Davenir Viganon fez uma resenha do romance no seu blogue Wilbur D: Resenhas, Downloads, Contos em 17 de agosto de 2020. Ele destaca:

“Esperava encontrar ação frenética por ser um livro curto e que não haveria espaço para muita coisa além disso, mas o livro diverte pela construção do cenário e as engrenagens políticas que dão uma boa profundidade ao universo… O livro é como um episódio piloto de algo mais longo mas bom o suficiente para me fazer procurar mais pelo universo.”

Mais tarde, Viganon fez um vídeo sobre Glória Sombria no seu canal do YouTube, Diário de Anarres. Ali ele expande:

“A característica que mais me atraiu na história é que ele é politicamente dividido, não entre as facções de cada planeta ou conjuntos de planetas, mas a Terra ainda é, apesar de ter encontrado muitas civilizações, de já ter encontrado até um inimigo pr’a humanidade, que deveria unir eles — só que não… Também isso é outra coisa bacana, porque o Brasil e toda a América Latina têm importância no cenário político não só da Terra mas ali na região de expansão humana. É muito bacana ver as intrigas que estão acontecendo, enquanto a humanidade toda deveria estar unida, o que dá uma maturidade pro universo… Eu recomendo o livro, gostei bastante do livro, e acho que é uma série que merece uma chance.”

No MyBest: Serviço de Recomendação de Livros e Filmes, Bruna Trigueiros criou a lista “Top 20: Melhores Livros de Ficção Científica de 2020 (Atuais e Clássicos)” e abriu a subdivisão dos livros atuais com Glória Sombria, incluindo a seguinte nota:

“Desde 1989, Roberto de Sousa Causo publica contos em revistas e livros no Brasil e outros países. Ele escreve terror, fantasia e hard sci fi. Em Glória Sombria, Causo se aventura num gênero único: a space opera militar, cheia batalhas, intrigas e estratégias. No século XXV há uma guerra entre os humanos e os Tadais. Jonas Peregrino, um jovem oficial descendente de brasileiros, é chamado para treinar uma unidade de elite por seu talento como estrategista. O livro curto com preço baixo conta a história da primeira e dificílima missão dessa tropa.”

Na sua lista de destaques da ficção científica atual também estão Encarcerados, de John Scalzi; A Cidade e a Cidade, de China Miéville; O Caçador Cibernético da Rua 13, do brasileiro Fábio Kabral; Matéria Escura, de Blake Crouch; Perdido em Marte, de Andy Weir; Justiça Ancilar, de Ann Leckie; O Problema dos Três Corpos, de Cixin Liu; Jogador N.º 1, de Ernest Cline; e A Longa Viagem a um Pequeno Planeta Hostil, de Becky Chambers.

Sem comentários até agora, comente aqui!

Roberto Causo É Entrevistado no “Almanaque de Arte Fantástica Brasileira”

Marcello Simão Branco, jornalista, cientista político e fã histórico de ficção científica entrevistou o escritor Roberto Causo, criador do Universo GalAxis, para o Almanaque de Arte Fantástica Brasileira, que ele mantém com o seu colaborador de longa data, Cesar Silva.

 

 

O blogue Almanaque de Arte Fantástica Brasileira é uma poderosa ferramenta de acesso a recursos de ficção científica, fantasia, horror e literatura fantástica. Representa uma continuidade, em outro formato, do importante Anuário Brasileiro de Literatura Fantástica, que Branco & Silva publicaram ao longo de uma década.

A entrevista foi postada em 1.º de novembro de 2019, e nela Branco e Causo comentam os 30 anos de carreira do escritor e discutem o que mudou nesse tempo, no campo da ficção científica brasileira, a sua comunidade de fãs e com a recente produção intelectual e acadêmica voltada para a FC no Brasil.

O Universo GalAxis também é abordado, assim como a influência da série alemã Perry Rhodan sobre ele e as novidades e projetos futuros do universo que combina as séries As Lições do Matador e Shiroma, Matadora Ciborgue.

Marcello Simão Branco foi um dos criadores, com Renato Rosatti, do importante fanzine Megalon, e é um dos mais longevos observadores do campo da ficção especulativa no Brasil. Com Cesar Silva ele editou a revista HorrorShow e participou da Editora Pecas, além de fundar a Sociedade Brasileira de Arte Fantástica e organizar convenções de FC e de horror. Branco, que também é professor universitário de Ciência Política, editou as antologias Outras Copas, Outros Mundos (1998) e Assembleia Estelar: Histórias de Ficção Científica Política (2010), esta última com a noveleta das Lições do Matador, “Trunfo de Campanha”. É assim que ele abre a entrevista com Roberto Causo:

Conheço o Causo desde setembro de 1987, faz tempo, a partir de uma reunião mensal do Clube de Leitores de Ficção Científica, em São Paulo. Artista e militante em tempo integral, fez tudo e mais um pouco em prol da ficção científica e fantasia no país desde então. O que se faz com as perguntas a seguir é além de celebrar a longevidade de sua carreira, reconhecer sua importância, que se confunde com a trajetória e desenvolvimento do gênero no país. Pois se ele, numa visão de conjunto, se estabeleceu como um dos nossos autores mais relevantes, tem uma contribuição multiforme, e não menos significativa: fã, fanzineiro, ilustrador, crítico e ensaísta, editor, tradutor, pesquisador acadêmico, organizador de eventos.

A entrevista você encontra aqui.

Sem comentários até agora, comente aqui!

Carlos Rocha Resenha “Mestre das Marés”

O autor e crítico Carlos Rocha escreveu uma resenha muito positiva do romance das Lições do Matador, Mestre das Marés (Devir Brasil, 2018).

A resenha foi publicada no Selo Multiversos Editorial, espaço no qual Rocha tem desenvolvido a sua atividade de crítico literário, já há alguns anos. Ele tem dado atenção a vários livros de Roberto Causo, o autor de Mestre das Marés.

Na resenha, Rocha comenta que o romance “é uma space opera militar com uma inclinação para a ficção científica hard“, e destaca a alternância da narrativa em terceira pessoa com uma narrativa em primeira pessoa, da personagem Camila Lopes, uma jornalista que acompanha a operação dos Jaguares do Capitão Jonas Peregrino, nas vizinhanças do buraco negro Firedrake. “Essa dinâmica narrativa que alterna a investigação jornalística de Camila com a ação propriamente dita liderada por Peregrino funciona muito bem”, escreve. “É criada uma tensão e contraste de pontos de vista que ajudam a construir a camada psicológica da trama.”

Outro aspecto destacado pelo crítico é a cultura militar presente no romance: “A vida militar, seus equipamentos, jargão e forma de agir são muito bem representadas pelo autor, mas o melhor de tudo é a dinâmica das batalhas. É notável a habilidade de Roberto para imaginar e compor complexos cenários de batalha militar, seja espacial, seja combate à pé, considerando tecnologias e equipamentos que não existem, especulados à partir da imaginação de um possível desenvolvimento científico e suas consequências.”

Bastante completa, a resenha avalia também o Universo GalAxis até este ponto, citando os livros anteriores e observando que “o Universo GalAxis certamente é um dos cenários de ficção científica mais vibrantes (e ainda em expansão) no âmbito da FC nacional. Um conjunto de obras que você não pode deixar de conhecer.”

A resenha completa está aqui.

 

Arte de capa de Vagner Vargas.

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Luiz Bras Resenha “Mestre das Marés”

O escritor Luiz Bras resenhou o romance Mestre das Marés, segundo livro da série As Lições do Matador, de Roberto Causo.

 

Arte de capa de Vagner Vargas.

A resenha apareceu em 4 de março no blog Ficção Científica Brasileira, que se dedica à FC nacional, em textos de até 500 palavras.

 

Na resenha, Luiz Bras começa reclamando que, na maior parte da space opera militar no campo audiovisual, “as séries e os filmes tendem a ser mais sensuais e pirotécnicos (atores bonitos, música vibrante, lutas coreografadas, explosões) e menos conceituais e abstratos (aprofundadas noções científicas, sutilezas filosóficas, inteligência tática, pragmatismo) do que os contos e os romances”. E ainda: “Nas space operas audiovisuais, por exemplo, nada me aborrece mais do que as batalhas no espaço. Quando duas frotas antagônicas se encontram, não há qualquer planejamento, não há a mínima estratégia. Os artilheiros e os pilotos parecem malucos chapados. Os caças voam bestamente atirando pra todos os lados. Em solo a situação não é melhor: as tropas parecem mais um bando de bárbaros desnorteados, gritando e disparando a torto e a direito.”

 

Em contraste e sobre Mestre das Marés, Luiz Bras observa:

“Um dos elementos mais elaborados oferecidos pelo romance Mestre das Marés, de Roberto de Sousa Causo, é justamente o que falta nas minisséries e nos filmes de ficção científica militar: estratégia. […] Também dá gosto ler uma space opera em que a maioria dos personagens é parda, negra ou índia.” —Luiz Bras.

A resenha completa você pode conferir aqui.

 

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Edgar Smaniotto Divulga Resenha de “Glória Sombria”

O Prof. Edgar Smaniotto, da Faculdade de Ensino Superior do Interior Paulista, disponibilizou no seu site pessoal resenha de Glória Sombria: A Primeira Missão do Matador, de Roberto Causo, antes publicada na revista Perry Rhodan Volume 23, em abril de 2016.

 

Smaniotto abre a resenha tratando do autor: “Roberto de Sousa Causo é um prolífico escritor e crítico literário de literatura especulativa, tem obras (livros, contos, noveletas) escritas em diversos subgêneros, que vão da fantasia heroica à ficção científica hard. Causo investe também em dois subgêneros que são pouco afeitos aos escritores brasileiros, a ficção ufológica e a ficção de guerra futura. Por ter grande interesse tanto em ufologia quanto em estudos sobre guerra, sempre fui um leitor atento à obra de Roberto Causo.”

Arte de capa de Vagner Vargas.

Em Glória Sombria (Devir Brasil, 2013), o primeiro romance da série As Lições do Matador, Smaniotto identifica: “batalhas espaciais ao estilo próprio da space opera; explicações científicas para a tecnologia e descrição do cenário espacial com bastante rigor técnico e científico, típicos da literatura hard; e uma preocupação com a descrição de armamentos e táticas de batalhas, que geralmente encontramos em romances de guerra futura. Uma composição mais ou menos equilibrada de aventura, ciência e militaria capaz de contentar até o leitor mais exigente.”

Dirigindo-se aos leitores da revista Perry Rhodan, Smaniotto observa que “Causo criou um universo ficcional de expansão da espécie humana e contato com entidades alienígenas que podem lembrar ao fã de Perry Rhodan os primeiros ciclos da série …” E ainda, que a “leitura de Glória Sombria certamente não desapontará o leitor de Perry Rhodan ou leitores acostumados com ficção científica hard e militar em geral. Um dos pontos fortes do livro, inclusive, é a preocupação do autor com os dados técnicos de armamentos, naves espaciais e hierarquia militar, um estilo de contar uma boa historia que eu realmente aprecio nos textos de Causo.”

 

A resenha foi disponibilizada no site de Edgar Smaniotto em 21 de outubro de 2017. O texto completo da resenha você encontra aqui.

 

Sem comentários até agora, comente aqui!