Resenhas em ZeroG

Resenhas

Vídeo de Silvio César Sobre “Shiroma, Matadora Ciborgue”

 

O fã de quadrinhos e ficção científica Silvio César recomenda, no canal do Grupo Avançado no YouTube, a leitura do livro de Roberto Causo Shiroma, Matadora Ciborgue (Devir Brasil, 2015), destacando o tratamento psicológico e a qualidade humana da personagem.

 

Silvio César

Silvio César

 

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Edgar Smaniotto Divulga Resenha de “Glória Sombria”

O Prof. Edgar Smaniotto, da Faculdade de Ensino Superior do Interior Paulista, disponibilizou no seu site pessoal resenha de Glória Sombria: A Primeira Missão do Matador, de Roberto Causo, antes publicada na revista Perry Rhodan Volume 23, em abril de 2016.

 

Smaniotto abre a resenha tratando do autor: “Roberto de Sousa Causo é um prolífico escritor e crítico literário de literatura especulativa, tem obras (livros, contos, noveletas) escritas em diversos subgêneros, que vão da fantasia heroica à ficção científica hard. Causo investe também em dois subgêneros que são pouco afeitos aos escritores brasileiros, a ficção ufológica e a ficção de guerra futura. Por ter grande interesse tanto em ufologia quanto em estudos sobre guerra, sempre fui um leitor atento à obra de Roberto Causo.”

Arte de capa de Vagner Vargas.

Em Glória Sombria (Devir Brasil, 2013), o primeiro romance da série As Lições do Matador, Smaniotto identifica: “batalhas espaciais ao estilo próprio da space opera; explicações científicas para a tecnologia e descrição do cenário espacial com bastante rigor técnico e científico, típicos da literatura hard; e uma preocupação com a descrição de armamentos e táticas de batalhas, que geralmente encontramos em romances de guerra futura. Uma composição mais ou menos equilibrada de aventura, ciência e militaria capaz de contentar até o leitor mais exigente.”

Dirigindo-se aos leitores da revista Perry Rhodan, Smaniotto observa que “Causo criou um universo ficcional de expansão da espécie humana e contato com entidades alienígenas que podem lembrar ao fã de Perry Rhodan os primeiros ciclos da série …” E ainda, que a “leitura de Glória Sombria certamente não desapontará o leitor de Perry Rhodan ou leitores acostumados com ficção científica hard e militar em geral. Um dos pontos fortes do livro, inclusive, é a preocupação do autor com os dados técnicos de armamentos, naves espaciais e hierarquia militar, um estilo de contar uma boa historia que eu realmente aprecio nos textos de Causo.”

 

A resenha foi disponibilizada no site de Edgar Smaniotto em 21 de outubro de 2017. O texto completo da resenha você encontra aqui.

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Ramiro Giroldo (da UFMS) resenha “Shiroma, Matadora Ciborgue”

O escritor Luiz Bras criou o blog Ficção Científica Brasileira como um guia de leitura e testemunho da existência da FC nacional, dirigido especialmente a quem duvida.

Desde a sua recente criação em dezembro de 2016, o blog já publicou mais de uma dúzia de resenhas — e uma lista de obras brasileiras de destaque, fornecida por várias personalidades da FC nacional de hoje.

Glória Sombria

Arte de Vagner Vargas

Em janeiro, o Prof. Ramiro Giroldo, da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, publicou duas resenhas do Universo GalAxis. A primeira, do romance Glória Sombria: A Primeira Missão do Matador, apareceu em 10 de janeiro.

Agora, no dia 15, foi publicada uma resenha de Shiroma, Magadora Ciborgue, na qual Giroldo registra o “completo domínio narrativo de Causo, que salta aos olhos na forma como a fabulação mantém um ritmo instigante e sem embaraços”, e ainda, como “Shiroma é uma representação positiva do feminino, capaz de evocar analogias com a circunstância autoritária imposta pelo patriarcado”.

Finalmente, a nova resenha também reconhece como a série Shiroma, Matadora Ciborgue destaca a “tradição literária da ficção científica explicitamente trazida à tona nas dedicatórias de algumas das narrativas, interessadas em homenagear autores como Fausto Cunha, Rubens Teixeira Scavone e Clark Darlton”.

 

 

Shiroma Matadora Ciborgue

Arte de Vagner Vargas

 

 

 

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Shiroma é a “mulher biônica brasileira”, segundo Jorge Luiz Calife

Em nota publicada no jornal Diário do Vale, o escritor de ficção científica Jorge Luiz Calife, “Pai da FC Hard Brasileira”, chamou Shiroma de “a mulher biônica brasileira” e a comparou à espiã Brigitte Montfort, personagem imortalizada na história da ficção pulp brasileira em centenas de pinturas do artista Benício.

Titular da cobertura cultural do Diário do Vale, Jorge Luiz Calife repercutiu o lançamento de Shiroma, Matadora Ciborgue (Devir Brasil; 2016), de Roberto Causo, na divertida matéria “A Mulher Biônica Brasileira Ganha a sua Antologia” de 25 de julho de 2016.

Shiroma Matadora Ciborgue

Arte de capa: Vagner Vargas

Shiroma, Matadora Ciborgue é o mais novo livro do escritor Roberto de Sousa Causo … um dos autores mais conhecidos na nova ficção científica brasileira”, escreve Calife. “Sua especialidade são temas militares, e aventuras espaciais. Publicando pela Devir, Causo criou uma aventura de guerra espacial passada no século XXV envolvendo vários heróis brasileiros. Já comentei aqui sobre o primeiro livro da série, Glória Sombria, onde o comandante Jonas Peregrino enfrenta um ataque de robôs alienígenas nas colônias espaciais da Terra.”

O autor da Trilogia Padrões de Contato, obra clássica da FC hard brasileira, observa que, no “universo do Causo as viagens interestelares já se tornaram comuns e a humanidade colonizou vários planetas, apesar de enfrentar a oposição de um exército de robôs alienígenas. Seres humanos modificados por implantes biônicos são muito comuns neste universo. Em Glória Sombria o herói captura uma espiã de busto farto e descobre que os seios turbinados da mulher ocultam instrumentos de espionagem eletrônica. Shiroma, a assassina ciborgue, não tem esse equipamento, mas é tão cheia de componentes eletrônicos quanto a antiga mulher biônica da televisão.”

Calife também menciona a ilustração de capa, “de autoria do artista Vagner Vargas, que também fez a capa dos livros deste que vos escreve. E mostra a personagem no seu ambiente. O mundo de gravidade zero das naves espaciais e das armas de raios laser do futuro. Causo talvez não saiba, mas sua Shiroma é uma espécie de sucessora da Brigitte Montfort, uma espiã assassina que fez sucesso nos livros de bolso da Editora Monterrey, durante as décadas de 1960 e 1970. A diferença é que a Brigitte não contava com os acessórios e as armas futuristas da personagem do Roberto. Sem falar que o texto do Causo é muito melhor.”

Brigitte pertencia à CIA, a agência de espionagem americana, mas foi uma personagem criada no Brasil (que ela visitava com frequência) e representada como uma bela morena em centenas de capas pintadas pelo mestre da ilustração, Benício. As suas aventuras foram escritas, na maioria, por um escritor pulp espanhol, Antônio Vera Ramirez, que assinava “Don Carrigan”. Os livros da série ZZ7 eram estrelados por Brigitte e lançados pela Editora Monterrey, do Rio de Janeiro, entre as décadas de 1960 e 1990, com várias reedições. Também foi publicada na Espanha. Algumas das capas de Benício feitas para ela remetiam à ficção científica.

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

“Shiroma, Matadora Ciborgue” resenhado no último “Guia da Folha”

Shiroma Matadora Ciborgue

Arte de capa: Vagner Vargas

O renomado escritor Nelson de Oliveira, autor dos romances Poeira: Demônios e Maldições e Subsolo Infinito, fez uma resenha da coletânea Shiroma, Matadora Ciborgue (Devir Brasil, 2015), de Roberto Causo. A resenha apareceu no “Guia Livros, Discos, Filmes” da Folha de S. Paulo, edição de 30 de abril de 2016. Essa foi, infelizmente, a última edição do guia, criado para a Folha pelo crítico literário Manuel da Costa Pinto. Enquanto existiu, o guia escalava personalidades literárias e artísticas de importância reconhecida para escrever resenhas breves de obras nacionais e estrangeiras. Vai deixar saudades.

Na resenha, Nelson de Oliveira escreve: “A capa não deixa dúvidas: um livro de ficção científica. Para piorar: de um autor brasuca. Um autor insistente — afinal, Roberto de Sousa Causo vem publicando regularmente, aqui e lá fora, desde 1989.

“Na cabeça de muito leitor, a insistência na ficção científica (assunto de gringo?) só pode significar uma coisa: dólares, centenas de milhares. Garantimos que não. O autor não enriqueceu, longe disso. Mas conquistou posição central no círculo mais externo de nossa literatura. Porque a ficção científica, saibam, sempre foi a nossa ‘literatura’ marginal.

“Shiroma é uma pós-humana: uma garota geneticamente aperfeiçoada, com implantes biocibernéticos e inteligência incomum. É também uma das personagens femininas mais interessantes da contística atual, em tempos de igualdade de gênero e empoderamento da mulher. Ela protagoniza 11 contos de ação e reflexão, em que se entrelaçam perenes conflitos sociais e morais, tangidos por uma tecnologia ‘indistinguível da magia’, como diria Arthur C. Clarke.”

 

O último guia

O último guia

Sem comentários até agora, comente aqui!