Tag Arquivo para Ademir Pascale

Shiroma na Antologia “Trasgo Ano 1”

A primeira história de Shiroma, “Rosas Brancas”, está na antologia Trasgo Ano 1, organizada pelo editor e fundador da revista Trasgo, Rodrigo van Kampen.

 

A primeira antologia da revista Trasgo tem arte de capa de Kelly Santos.

Rodrigo van Kampen resolveu lançar em 2016 uma campanha de financiamento coletivo para uma antologia envolvendo as histórias significativas presentes no primeiro ano da revista eletrônica Trasgo, criada em 2014 e publicada a partir de Campinas, SP, dedicada à ficção científica e fantasia. A antologia foi lançada em 25 de novembro de 2017, em um bar na Rua Oscar Freire, diante da Estação Sumaré do Metrô e não longe de onde mora o escritor Roberto Causo — presente na antologia com a história de Shiroma, “Rosas Brancas”, e com o prefácio do volume.

O livro traz ilustração de capa de Kelly Santos e 26 histórias assinadas por Hális Alves, Karen Alvares, Marcelo Porto, Claudia Dugim, Melissa de Sá, Ana Lúcia Merege, Victor Oliveira de Faria, Jim Anotsu, George Amaral, Albarus Andreos, Cristina Lasaitis, Gael Rodrigues, Caroline Policarpo Veloso, Claudio Parreira, Tiago Cordeiro, Liége Báccaro Toledo, Jessica Borges, Fred Oliveira, Mary C. Muller, Ademir Pascale, Érica Bombardi, Gerson Lodi-Ribeiro, Enrico Tuosto, Lucas Ferraz e do próprio van Kampen — sem dúvida, um mostruário muito bom e diversificado, de autores da Terceira Onda da Ficção Científica Brasileira, temperado com alguns veteranos como o próprio Causo e seu contemporâneo, Lodi-Ribeiro.

O prefácio de Causo faz um apanhado da história das revistas de ficção científica no Brasil, e aponta o lugar possível da Trasgo no contexto do formato eletrônico, destacando justamente essa variedade e abertura:

“A revista de van Kampen supera tendências circunstanciais, círculos e cabalas dentro do campo brasileiro da FC e fantasia. Esta antologia é testemunho de tal abertura, ecletismo e generosidade profissional — derradeiramente, a única estratégia possível para representar a variedade do estado dessa literatura no Brasil.” —Roberto Causo.

Arte de capa e Jânio Garcia.

“Rosas Brancas” foi primeiro publicado na revista Portal Solaris (2008), editada por Nelson de Oliveira, e apareceu mais tarde na Trasgo N.º 3, em 2014. Foi a história de abertura do que se tornaria a série Shiroma, Matadora Ciborgue.

O lançamento ocorreu numa tarde calorenta de sábado, com uma feira de empreendedorismo ocorrendo na frente do local, com direito ao show de uma banda de rock. Causo encontrou-se com van Kampen, Claudia Dugim, e alguns escritores conhecidos mas que não estão na antologia: Marcelo Augusto Galvão e Fábio Fernandes. O primeiro livro de Rodrigo van Kampen, a novela fix-up Trabalho Honesto, uma ficção científica do tipo cyberpunk ambientada em Campinas, também estava sendo autografado. O livro tem capa de Jânio Garcia e ilustração de frontispício de Victor Strang. Faz parte de uma série de histórias com o mesmo herói, formando o universo ficcional O Legado dos Portais.

Depois da sessão de autógrafos, houve um debate sobre o estado da ficção científica e fantasia no Brasil, muito elogiado no Facebook.

 

Roberto Causo agradece a Rodrigo van Kampen pela oportunidade de escrever o prefácio da antologia Trasgo Ano 1.

 

Rodrigo van Kampen.

Claudia Dugim (centro) e Karen Alvares.

À esquerda: Marcelo Augusto Galvão e Fábio Fernandes.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Mustafá ibn Ali Kanso (1960-2017)

Não lembro exatamente quando conheci o escritor curitibano de ficção científica Mustafá ibn Ali Kanso (1960-2017), provavelmente em algum Fantasticon. Já sabia que ele fazia parte do círculo de escritores que o pioneiro André Carneiro (1922-2014) reuniu em Curitiba, depois que se mudou para lá para viver com um dos seus filhos.

 

Mustafá ib Ali Kanso

Mustafá nasceu em dezembro de 1960 na capital paranaense, e entrou no campo em meados da primeira década deste século, quando conheceu André Carneiro. Engenheiro químico por formação e professor universitário, acabou se tornando um nome central no grupo literário liderado por Carneiro, a Confraria Literária. “Por incentivo do próprio André Carneiro me inscrevi em um concurso nacional de contos e ganhei, nessa mesma edição, o primeiro e o sexto lugar”, escreveu. “A partir daí comecei a receber convites de editoras para participar de antologias e para escrever em portais.” O concurso em questão foi o da revista semiprofissional Scarium MegaZine, onde ele publicou suas primeiras histórias, nos instantes iniciais da Terceira Onda da Ficção Científica Brasileira. Após a morte de Carneiro em 2014, Mustafá assumiu a direção da Oficina Literária André Carneiro.

Mais tarde, Mustafá apareceu no Projeto Portal, de Nelson de Oliveira — uma sequência de seis revistas de FC, fantasia e mainstream literário, cada uma com um título diferente. Inclusive, Mustafá veio a um encontro na Biblioteca Viriato Corrêa, em São Paulo, de celebração do Projeto Portal. Ele e eu também aparecemos na antologia Futuro Presente (2009), organizada pelo mesmo Nelson de Oliveira. Eu o inclui na minha antologia organizada para a Terracota Editora, Contos Imediatos (2009). E em 2013, encontrei-me com ele na Odisseia de Literatura Fantástica, em Porto Alegre.

Mustafá ainda apareceria em Proibido Ler de Gravata (2010), a primeira antologia da Confraria, editada por Carneiro, e nas antologias Sagas Volume 4: Odisseia Espacial (2012); Estranhas Histórias de Seres Normais (2015); e Possessão Alienígena (2017), esta última editada por Ademir Pascale. A sua primeira coletânea de histórias, A Cor da Tempestade, apareceu em 2011. Sua primeira peça teatral, A Nau dos Insensatos, foi encenada em 2015 em Curitiba.

Eu me lembro que alguns dos contos de Mustafá me impressionaram a ponto de eu procurar na internet o programa de TV sobre educação e ciência que ele apresentava com um time de outras personalidades de Curitiba. Fiquei igualmente impressionado com sua verve e paixão pela divulgação científica.

A morte súbita de Mustafá em 26 de julho, de um ataque cardíaco em Curitiba, chocou o fandom de ficção científica, especialmente entre aqueles que o conheceram. Mustafá ibn Ali Kanso era um homem gentil e charmoso, que acreditava no poder da educação e tinha uma abordagem humanista e literária, para a sua ficção científica — embora nos últimos anos ele viesse a se apresentar como autor de realismo mágico. O Mesmo Sol que Rompe os Céus (2016), seu primeiro romance, é apresentado como parte dessa tendência. Ele também cultivava uma atitude gregária e moderada, algo meio raro no contexto social da Terceira Onda. Deixa a esposa Katia Souza, e muitas saudades entre seus colegas de letras.

—Roberto Causo

Sem comentários até agora, comente aqui!

Novidades no site de Vagner Vargas

O início de 2017 traz novidades no site pessoal do nosso parceiro de criação e webdesigner Vagner Vargas.

 

A revista francesa Galaxies N.º 34 trouxe ilustração de capa de Vagner Vargas e um perfil do artista.

Tenho insistido que Vagner Vargas é o melhor artista brasileiro dedicado à ficção científica. Um ilustrador completo, domina figura humana, design técnico, paisagem e atmosfera. Em 2015, ele teve um perfil publicado na revista francesa Galaxies N.º 34 (que apresentou um dossiê sobre a ficção científica brasileira). O site atualizado traz ilustrações feitas por Vagner para livros de mestres da FC nacional e internacional, como Arthur C. Clarke, Bruce Sterling, Jean-Pierre Laigle, Jorge Luiz Calife e Orson Scott Card.

Entre as novidades estão ilustrações feitas para as capas dos romances de ficção científica hard Evolução e O Elo (lançados em 2015), de Henrique Flory; uma atmosférica arte para um conjunto de cards lançado pela Devir Brasil com o tema “zumbis”; deslumbrantes trabalhos pessoais com algo de surrealista; e a adorável arte digital que eu reproduzo abaixo. Ela será capa da antologia Possessão Alienígena, organizada por Ademir Pascale, e inspirou o meu conto de Shiroma, Matadora Ciborgue, “Os Fantasmas de Lemnos”.

Possessão Alienígena trará contos de vários autores brasileiros, todos ilustrados por Vagner, que é também autor de uma série de imagens em preto e branco incluídas no livro. Essas imagens perturbadoras compõem a narrativa visual da invasão biológica do corpo humano por uma entidade alienígena. No site, o visitante encontra um exemplo dessas imagens.

Note ainda, no site, as ilustrações de capa dos livros Glória Sombria e Shiroma, Matadora Ciborgue, e outras artes feitas por Vagner Vargas para o Universo GalAxis.

–Roberto Causo

 

 

Arte: Vagner Vargas

Possessão Alienígena. Arte: Vagner Vargas

 

Temos 3 comentários, veja e comente aqui