Tag Arquivo para Guido Wilmar Sassi

Publicações Recebidas: Primeiro Semestre de 2020

Três livros e uma revista estão na nossa lista das publicações recebidas no período.

 

 

Arte de Capa de Hanuka Andrade.

O primeiro livro a chegar este ano pelo correio, cortesia do seu editor, Ricardo Santos, foi a antologia original Estranha Bahia (Salvador-BA: Ex! Editora, 2019, 194 páginas, arte de capa de Hanuka Andrade). É uma bonita produção, com papel de qualidade e diagramação inventiva, além de ilustrações internas. Reúne histórias de fantasia e ficção científica ambientadas na Bahia — um conceito muito simpático, que procura mostrar, segundo a orelha, “uma Bahia além dos clichês e estereótipos, mas sem esquecer nossa cultura, o jeito de ser baiano”.

Os autores são Isabelle Neves, Evelyn Postali, Tarcísio José da Silva, Alexandre Cthulhu, Cristiane Schwinden, Rochett Tavares e do próprio organizador. A ilustração de capa de Hanuka Andrade é uma arte digital de boa execução e movimento dinâmico e agradável. A tipologia pulp da capa me arrancou um arrepio de prazer.

 

 

 

Arte de capa de Túlio Cerquize.

Meus exemplares de crowdfunding de Vislumbres de um Futuro Amargo eu apanhei na tarde de lançamento dessa antologia original organizada por Gabriela Colicigno & Damaris Barradas (São Paulo: Agência Magh, fevereiro de 2020, 200 páginas, arte de capa de Túlio Cerquize) em 15 de fevereiro. A antologia original de histórias de FC apresenta uma seleção de autores novos representados pela Magh: Anna Martino, Lady Sybylla, Waldson Souza, Lu Ain-Zaila, Cláudia Fusco e Roberto Fideli.

A arte de capa é de Túlio Cerquize, e o livro traz ilustrações internas de Renata Aguiar, Deoxy Diamond, Estevão Ribeiro, Roberta Nunes, Stephanie Marino e Roberto Causo, em um projeto visual que também inclui páginas com cores de fundo representando a diversidade que é uma das tônicas dos representados pela Agência Magh. Além de duas ilustrações, também contribuí com o prefácio, que você pode ler aqui.

 

 

 

Arte de capa de Fernando Pacheco.

João Batista Melo me sugeriu para a autora, e Branca Maria de Paula teve a boa vontade de me enviar a sua novela A Luz Paralela (Belo Horizonte: Caravana Grupo Editorial, 2020, 146 páginas, introdução de João Batista Melo, arte de capa de Fernando Pacheco). Outro livro bem produzido, com papel e capa de qualidade e uma boa diagramação. Trata-se de uma novela de ficção científica ufológica ambientada, em boa parte, na reserva ecológica da Serra do Cipó, Minas Gerais.

Escrita com sutileza e espirituosidade, cor local e bons diálogos, apresentando uma protagonista divertida mas de dilemas sólidos e humanos. Já chega como um destaque desse subgênero bem brasileiro da ficção científica, praticado por Rubens Teixeira Scavone, Guido Wilmar Sassi, João Guimarães Rosa, Cid Fernandez, Ivan Carlos Regina, Finisia Fideli e tantos outros desde a década de 1950.

 

 

 

Arte de capa de Francesca Myman.

Chegou em julho a Locus—The Magazine of the Science Fiction & Fantasy Field edição 713, de junho deste ano. Um fato curioso, porque a edição anterior a aportar por aqui foi a 707, de dezembro de 2019.

De qualquer modo, esta é outra edição muito substancial da principal trade magazine do campo da ficção científica e fantasia, uma sobrevivente das transformações da era digital. A edição (com bela arte de Francesca Myman) Traz entrevistas com Madeline Ashby e Tobias S. Buckell, além de coluna por Kameron Hurley e resenhas por Gary K. Wolfe, Liz Bourke, Adrienne Martini, Ian Mond, Paula Guran, Katharine Coldiron, Colleen Mondor, Russell Letson, Paul Di Filippo e outros. A seção de notícias trata dos primeiros cancelamentos de eventos em razão da covid-19. Fato raro, a edição trouxe um capítulo do romance de space opera de Kate Elliott, Unconquerable Sun, pela Tor Books, como excerto promocional. Mais sobre a Locus no site da revista.

 

—Roberto Causo

 

Endereço para envio de publicações: Rua André Dreifus, 109/163 – bloco 2, São Paulo-SP, CEP 01252-010. Em PDF: rscauso@yahoo.com.br

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Roberto Causo Escreve Sobre o Editor Gumercindo Rocha Dorea

A revista Correio das Artes, suplemento literário do jornal A União, de João Pessoa,, na Paraíba, pediu a Roberto Causo um artigo sobre o editor Gumercindo Rocha Dorea, das Edições GRD, e a sua dedicação à ficção científica. A solicitação foi feita pelo colaborador do Correio das Artes, o cineasta documentarista Claudio Brito, que fez a ponte com o editor André Cananéa. O artigo foi publicado na edição de setembro de 2019, com uma bela arte digital de Domingos Sávio.

 

Arte de capa de Domingos Sávio.

No artigo “Gumercindo Rocha Dorea e a Ficção Científica”, Causo faz um curto esboço biográfico de Dorea, nascido em 1924 em Ilhéus, na Bahia, antes de entrar no assunto ficção científica. A grande colaboração do editor baiano está na coleção Ficção Científica GRD e sua irmã, a Ficção Científica Gigante, as duas publicando, na década de 1960, grandes nomes internacionais do gênero, e a primeira dando espaço a autores nacionais que, juntos, formaram o núcleo da Primeira Onda da Ficção Científica Brasileira. Um desses autores, o também crítico Fausto Cunha, nomeou-os “Geração GRD” em homenagem a Dorea e em reconhecimento do seu empenho em enraizar a FC entre os brasileiros. Outros nomes importantes publicados por ele são André Carneiro, Álvaro Malheiros, Antonio Olinto, Clóvis Garcia, Dinah Silveira de Queiroz, Guido Wilmar Sassi, Jeronymo Monteiro, Leon Eliachar, Levy Menezes, Lúcia Benedetti, Rubens Teixeira Scavone e Zora Seljan.

Entre os estrangeiros publicados por Dorea estão nomes que se tornaram referência na FC internacional, vistos aqui pela primeira vez: Ray Bradbury, H. P. Lovecraft, C. S. Lewis, Robert A. Heinlein, Clifford D. Simak, James Blish, Kurt Vonnegut e vários outros, incluindo franceses e russos. Alguns dos títulos que Dorea publicou pela primeira vez entre nós foram relançados recentemente pela Editora Aleph, numa demonstração da sua importância e durabilidade como referência.

Além do artigo em questão, a edição da Correio das Artes trouxe uma entrevista com o autor brasileiro de FC e tradutor destacado Braulio Tavares, que discorreu sobre utopia e distopia, o quanto a televisão e o audiovisual estão determinando o que é ficção científica para uma grande parcela do público, e as dificuldades de se traduzir o gênero. Ele atribui o atual boom da FC no Brasil à republicação de clássicos, e cita como importantes para o mercado as editoras Aleph, Devir e Draco. A entrevista menciona as antologias organizadas por ele, e o escritor fecha a entrevista, dada a André Cananéa, falando de como o gênero funciona como um espelho da realidade. A revista apresentou também uma página com recomendações de leitura.

Para receber gratuitamente um arquivo em PDF com a revista Correio das Artes em questão, escreva para http://universogalaxis.com.br/contato-imediato/

Temos 2 comentários, veja e comente aqui