Aquaman

O arrasa-quarteirão surpresa da DC Comics encanta pela entrega total a um raro ritmo narrativo e à força de imagens deslumbrantes.

 

Aquaman. Diretor: James Wan. Escritores: David Leslie Johnson-McGoldrick & Will Beal (Aquaman é uma criação de Mort Weisinger & Paul Norris). Estados Unidos e Austrália, 2018, 143 minutos. Com Jason Momoa, Amber Heard, Willem Dafoe, Patrick Wilson, Nicole Kidman, Dolph Lundgren.

 

 

Convicção é tudo.

O diretor James Wan sabe disso e empregou seu virtuosismo em cenas de luta e na criação de ricas imagens com grande convicção em Aquaman, a última aventura da DC Comics no cinema.

O universo dos super-heróis da DC vinha capengando na telona há alguns anos. Firmava-se meio como uma alternativa subprime do estilo e do vitorioso universo Marvel. Mulher-Maravilha (2016), por exemplo, é um filme de roteiro inconsistente e desempenhos fracos, que vence pela convicção ingênua dos astros Gal Gadot e Chris Pine e pelo subtexto feminista que avança apesar das falhas.

Claramente, Aquaman desfrutou de um investimento financeiro substancial. Isso é curioso, considerando o quanto, dentre os suspeitos usuais da Liga da Justiça, ele é visto como secundário — a ponto de virar piada na série The Big Bang Theory. Mas assim como Mulher-Maravilha, é um filme que funciona apesar das suas deficiências, e, em alguns momentos, por causa delas.

Aquaman abre com a narrativa de origem de Aquaman, filho da rainha atlante Atlanna (Nicole Kidman) com o faroleiro Tom Curry (Temuera Morrison, o homem por trás da máscara de Jango Fett, de Star Wars). Essa narrativa saiu direto do cânone do Aquaman da Era de Prata, em 1959. Mais tarde, o herói, ao salvar a tripulação de um submarino russo de uma equipe de impiedosos piratas high-tech, faz um inimigo para o resto da vida: o supervilão Black Manta (Yahya Abdul-Mateen II).

O dilema do filme surge quando o meio-irmão do herói, o príncipe Orm (Patrick Wilson), decide declarar guerra contra a humanidade da superfície, e Aquaman é forçado pela a desafiá-lo como herdeiro legítimo de Atlântida. Uma sábia decisão foi trazer o tema da mestiçagem mais para perto do espectador, na medida em que Aquaman (Jason Momoa) é apresentado como filho da princesa com um nativo-americano. Desse modo, a aparência étnica de Momoa contrasta claramente com a aparência nórdica de Orm e do seu futuro sogro, o Rei Nereus (Dolph Lundgreen), e da bela princesa Mera (interpretada pela linda Amber Heard). O próprio Momoa é meio havaiano, meio teuto-americano — enquanto a sua versão dos quadrinhos é originalmente tão loura e nórdica quanto os outros.

A intriga exige que Arthur Curry, a identidade secreta de Aquaman, se assuma como pretendente ao trono da Atlântida e enfrente Orm, que busca se tornar o Mestre dos Oceanos e liderar todas as várias nações submarinas contra a humanidade da superfície. Para isso, não apenas o seu mentor secreto, o conselheiro de Atlântida Vulko (Willem Dafoe), mas também a princesa Mera apelam a Arthur. Mas é a força dos eventos que o arrasta rumo ao seu destino — recuperar o tridente do Rei Atlan e impedir a guerra. Tomar posse do tridente equivale ao Rei Arthur (coincidência?) arrancar a espada Excalibur da pedra e se provar como o verdadeiro rei. Outras referências presentes no filme incluem Pinocchio e Lovecraft.

A estrada até lá é na verdade uma montanha russa. Assim como em um gibi há uma cena de ação ou um painel deslumbrante a cada duas ou três páginas, James Wan faz com que a cada dois ou três minutos haja uma explosão, uma luta intensa ou um panorama de destruição ou maravilhamento com sua paisagem marinha fantástica. A quantidade de cidades e mundos perdidos vistos durante o filme acentua o desejo de deslumbrar, culminando com o tema antigo de um mundo selvático com dinossauros e tudo, situado no interior da Terra. E em toda parte, relíquias incríveis (algumas do nosso mundo), que fariam Indiana Jones salivar, são lascadas ou destruídas por completo.

As lutas coreografadas são mais tridimensionais do que em outros filmes da DC, assim como são superiores o apuro visual, a fotografia e o emprego de CGI. Mesmo tendo custado basicamente o mesmo que Mulher-Maravilha, Aquaman parece estar em uma classe superior. Wan subordina tudo ao ritmo narrativo alucinante. Uma decisão positiva nesse sentido foi explorar o caráter palhaço do Aquaman de Jason Momoa, que acaba sendo mais divertido do que o lado bufão de Benedict Cumberbatch em Doutor Estranho (2016), por exemplo. Em alguns momentos, Aquaman forma com Mera uma descarada dupla cômica — que disfarça bem a total falta de química do casal improvisado.

Os personagens certamente não são tridimensionais, mas é interessante como Wan extrai de todos interpretações exaltadas, canastronas, que nivelam o filme no seu espírito brincalhão focado em arrastar o espectador com ele, cena após cena — e clichê após clichê.

Às vezes, uma obra se entrega ao mundo paralelo do pulp, dos quadrinhos ou da fantasia a ponto de criarem uma realidade desapegada do real, dos ditames da qualidade e dos valores canônicos do seu veículo, e mesmo assim se firma por sua delirante personalidade própria. Aquaman pode ser uma dessas.

—Roberto Causo

 

 

 

Roberto Causo agradece a Gabriela Colicigno & Roberto Fideli, do Who’s Geek, pela oportunidade de ver a cabine de Aquaman em 11 de dezembro de 2018, no JK Shopping, em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *