Tag Arquivo para Patuá Editora

Novo Livro de Contos de Roberto Causo: “Brasa 2000”

Em junho de 2020, a Editora Patuá enviou pelo correio os primeiros exemplares vendidos de Brasa 2000 e Mais Ficção Científica, a coletânea de contos de Roberto Causo incluída na respeitada coleção Futuro Infinito, editada por Luiz Bras.

 

Arte de capa de Teo Adorno.

Com 204 páginas, Brasa 2000 e Mais Ficção Científica é dividido em quatro seções: “Aqui, Agora, Futuro Próximo”, “Tupinipunk”, “Steampunk” e “Space Opera”, reunindo um total de 11 histórias. Abrindo com “Infiltrado”, publicado originalmente em 1992, e fechando com “Tengu e os Assassinos” (2013), uma noveleta pertencente à série As Lições do Matador, do Universo GalAxis, o livro é uma amostra dos trinta anos de carreira do escritor na ficção científica.

O conto “Brasa 2000” (2006), que dá título ao livro, é uma história de guerra futura publicada na Argentina, Brasil, Cuba e Espanha, tendo aparecido em duas antologias internacionais de ficção científica latino-americana.

A Coleção Futuro Infinito, com dois anos de existência, apresenta títulos de Fábio Fernandes, Braulio Tavares, Claudia Dugim, Marco Aqueiva, Ivan Carlos Regina e Michel Peres.

Apresentando capa de Teo Adorno, no mesmo padrão de capas de todos os livros da Futuro Infinito, Brasa 2000 e Mais Ficção Científica apresenta texto de orelha de Marcello Simão Branco, a coletânea traz ainda texto de contracapa de Nunes Dias, sublinhando a versatilidade de Causo:

“Dos muros pixados por um cangaceiro jedi num corrompido bairro do Morumbi às etnias resguardadas do colapso financeiro nos fundões da Amazônia, das hordas marcianas invadindo os subúrbios cariocas nos estertores do século dezenove à cultura oriental que refloresce resguardada num planeta distante… A antologia Brasa 2000 nos presenteia com um vislumbre panorâmico da produção de Roberto de Sousa Causo, um dos autores mais importantes da ficção científica brasileira. À space opera, ao steampunk e à FC tradicional e sua miríade de tropos junta-se o aguerrido tupinipunk, termo cunhado pelo próprio Causo. As histórias contidas aqui — incluindo um conto antológico reunindo o capitão Jonas Peregrino e a assassina ciborgue Shiroma — homenageiam as influências clássicas, torcem as rédeas monótonas da realidade e oferecem ótimos momentos de uma voz autenticamente brasuca.” —Nunes Dias. Na contracapa de Brasa 2000 e Mais Ficção Científica.

O livro está disponível para compra na loja virtual da Patuá.

Temos 2 comentários, veja e comente aqui

Lançamento Virtual de Livro de Contos de Roberto Causo

A Patuá Editora e Luiz Bras, o curador da Coleção Futuro Infinito, lançam no Instagram a coletânea Brasa 2000 e Mais Ficção Científica, de Roberto Causo. Com texto de orelha de Marcello Simão Branco, co-autor do Anuário Brasileiro de Literatura Fantástica, e reunindo onze narrativas, este é, a rigor, o primeiro livro de contos de Causo disponível no Brasil — já que o seu primeiro, A Dança das Sombras (1999), foi publicado apenas em Portugal. Inclui “Brasa 2000”, conto que apareceu em duas antologias representativas da FC latino-americana, e “Tengu e os Assassinos”, parte da série As Lições do Matador e do Universo GalAxis.

Em 2 de maio de 2020, às 16h00 no Instagram, conta @paisagem.personas

“Histórias que abordam, dentro de cada tópico, especulações sobre a realidade brasileira futura. Do futuro próximo ao futuro distante, elas mostram um autor tão criativo quanto preocupado com aspectos da vida brasileira, como a desigualdade social, o desrespeito às minorias e à nossa rica natureza …” —Marcello Simão Branco, na orelha de Brasa 2000 e Mais Ficção Científica.
“As onze ficções que compõem este volume formam um conjunto sólido e de alto padrão. Poucos autores brasileiros de ficção científica conseguem manter um nível tão alto de qualidade do início ao fim de uma coletânea. … Um trabalho bem feito, mostrando uma FC rica e humanista, com preocupações reais, tocando em temas relevantes como o racismo, a desigualdade social e a preservação ambiental.” —Daniel Borba, no blogue Ficção Científica Brasileira.

Foto: Beatriz Takeshita

 

 

 

Temos 3 comentários, veja e comente aqui

Marco Aqueiva (1966-2020)

Em 12 de fevereiro de 2020, o mundo da ficção científica paulistana, especialmente o grupo que se formou em torno de Luiz Bras (Nelson de Oliveira), do seu grupo de estudos de ficção científica — o Coletivo KriptoKaipora — e da sua coleção Futuro Infinito, foi sacudido pela notícia do falecimento de Marco Aqueiva, um dos autores da coleção.

 

Marco Aqueiva, no lançamento do seu livro de ficção científica, Amália atrás de Amália.

Marco Aqueiva” é o pen-name do acadêmico e poeta Marco Antonio Queiroz Silva, nascido em Bauru-SP, em 1966. Com graduação em Letras pela Universidade de São Paulo, em 1993, e Mestrado em Letras na área de Literatura Portuguesa, obtido em 2006 na mesma instituição, Marco dava aulas de Literatura na Fundação de Ensino Superior de Bragança Paulista desde 2002.

Em 2017, iniciou o doutorado também na USP, na área de Teoria Literária e Literatura Comparada, com o romance Distrito Federal (2015), de Nelson de Oliveira, como assunto da sua tese. Ano passado, em maio, tive o privilégio de participar do exame de qualificação do seu projeto de pesquisa. Certamente, o entusiasmo de Nelson pela ficção científica inspirou Marco a responder com a sua própria energia e dinamismo. O resultado imediato foi a novela distópica pós-modernista Amália Atrás de Amália (2019), parte da Futuro Infinito, da paulistana Patuá Editora, de Eduardo Lacerda.

Um militante da seara poética, com o Projeto Valise, iniciado em 2008 na Internet, e participante do coletivo literário Quatati, junto ao qual divulgava a ficção científica brasileira. Pela mesma Patuá, publicou o romance Sob os Próprios Pelos: Seres Extraordinários (2014), e os livros de poesia O Azul Versus o Cinza & o Cinza Versos o Azul (2012) e Germes entre Dias Brancos (2016).

Nelson de Oliveira reagiu à notícia do falecimento com a seguinte nota no Facebook: “Hoje partiu para uma grande aventura cósmica um escritor dos bons, além de um interlocutor inteligente e generoso.” Já o também acadêmico Ramiro Giroldo, autor do texto de orelha de Amália Atrás de Amália, nos disse: “Durante o tempo (infelizmente muito mais curto do que eu gostaria) em que mantive contato com o Marco, ele foi uma presença marcante. Inteligente, espirituoso, com uma conversa ao mesmo tempo gentilíssima e sincera, sem jogos de aparência — uma combinação que tornava impossível não simpatizar de imediato com ele. Claro que nosso assunto em comum era a literatura, que o Marco tão bem praticava — mantinha um ritmo de produção bom sem perder o cuidado com cada palavra. Marco Aqueiva deixou uma produção literária — inclusive com expressivas contribuições para a literatura fantástica e particularmente para a ficção científica —, uma produção que precisa ser conhecida. Amália atrás de Amália, sua última obra, recém-lançada, é exemplo: uma distopia formalmente organizada como nenhuma outra. Nossa literatura e nosso tempo estão em Marco Aqueiva.”

A FC brasileira perdeu um autor que entrou na cena com personalidade própria, e um interlocutor qualificado. Vítima de um infarto agudo do miocárdio, Marco deixa a esposa Fátima e os filhos Bruno e Igor.

—Roberto Causo

Sem comentários até agora, comente aqui!