Tag Arquivo para ficção científica brasileira

Roberto Causo Escreve Sobre o Editor Gumercindo Rocha Dorea

A revista Correio das Artes, suplemento literário do jornal A União, de João Pessoa,, na Paraíba, pediu a Roberto Causo um artigo sobre o editor Gumercindo Rocha Dorea, das Edições GRD, e a sua dedicação à ficção científica. A solicitação foi feita pelo colaborador do Correio das Artes, o cineasta documentarista Claudio Brito, que fez a ponte com o editor André Cananéa. O artigo foi publicado na edição de setembro de 2019, com uma bela arte digital de Domingos Sávio.

 

Arte de capa de Domingos Sávio.

No artigo “Gumercindo Rocha Dorea e a Ficção Científica”, Causo faz um curto esboço biográfico de Dorea, nascido em 1924 em Ilhéus, na Bahia, antes de entrar no assunto ficção científica. A grande colaboração do editor baiano está na coleção Ficção Científica GRD e sua irmã, a Ficção Científica Gigante, as duas publicando, na década de 1960, grandes nomes internacionais do gênero, e a primeira dando espaço a autores nacionais que, juntos, formaram o núcleo da Primeira Onda da Ficção Científica Brasileira. Um desses autores, o também crítico Fausto Cunha, nomeou-os “Geração GRD” em homenagem a Dorea e em reconhecimento do seu empenho em enraizar a FC entre os brasileiros. Outros nomes importantes publicados por ele são André Carneiro, Álvaro Malheiros, Antonio Olinto, Clóvis Garcia, Dinah Silveira de Queiroz, Guido Wilmar Sassi, Jeronymo Monteiro, Leon Eliachar, Levy Menezes, Lúcia Benedetti, Rubens Teixeira Scavone e Zora Seljan.

Entre os estrangeiros publicados por Dorea estão nomes que se tornaram referência na FC internacional, vistos aqui pela primeira vez: Ray Bradbury, H. P. Lovecraft, C. S. Lewis, Robert A. Heinlein, Clifford D. Simak, James Blish, Kurt Vonnegut e vários outros, incluindo franceses e russos. Alguns dos títulos que Dorea publicou pela primeira vez entre nós foram relançados recentemente pela Editora Aleph, numa demonstração da sua importância e durabilidade como referência.

Além do artigo em questão, a edição da Correio das Artes trouxe uma entrevista com o autor brasileiro de FC e tradutor destacado Braulio Tavares, que discorreu sobre utopia e distopia, o quanto a televisão e o audiovisual estão determinando o que é ficção científica para uma grande parcela do público, e as dificuldades de se traduzir o gênero. Ele atribui o atual boom da FC no Brasil à republicação de clássicos, e cita como importantes para o mercado as editoras Aleph, Devir e Draco. A entrevista menciona as antologias organizadas por ele, e o escritor fecha a entrevista, dada a André Cananéa, falando de como o gênero funciona como um espelho da realidade. A revista apresentou também uma página com recomendações de leitura.

Para receber gratuitamente um arquivo em PDF com a revista Correio das Artes em questão, escreva para http://universogalaxis.com.br/contato-imediato/

Temos 2 comentários, veja e comente aqui

Conto Futurista de Roberto Causo no “EstadãoQR”

O conto “No Santuário”, de Roberto Causo, foi publicado em julho de 2019 no site EstadãoQR de O Estado de S. Paulo (especificamente na seção “EurecaQR“) juntamente com seis destacados escritores brasileiros de ficção científica.

O convite para a publicação partiu do jornalista Felipe

“Como os autores de ficção científica brasileiros acham que será o futuro?”

 

Trata-se de um desafio muito interessante, que toca em uma das principais funções da ficção científica como gênero literário — provocar o pensamento do futuro. A introdução de Felipe Laurence e as chamadas para cada um dos contos estão aqui. Na página de cada conto há também o acesso para uma versão podcast. Há uma certa ironia no mote do projeto ter sido as “inovações tecnológicas da Quarta Revolução Industrial” e no fato de que os contos serem “lidos” por um conhecido software de voz.

A chamada para o conto de Causo, que imagina o futuro do Brasil em quinze ou vinte anos mas com um olhar firme sobre o presente, lê: “Duas pessoas muito diferentes, em termos políticos e sociais, se encontram em um espaço especial para descobrirem quais diferenças podem ser deixadas de lado num plano secreto para mudar o mundo e evitar o último estágio da automação.”

Leia um trecho de “No Santuário”:

Nathaima Flavre deixou a plataforma do Metrô Alto do Ipiranga e subiu três monótonos lances de escada rolante até a saída. Vinha da periferia de São Paulo, não conhecia o bairro. Sabia apenas que tinha mais de um quilômetro a percorrer, até chegar ao local da entrevista de emprego. Consultou as opções de transporte autônomo no seu smartphone.

Desde que ganhara corpo, desistira do Uber como opção. Tinha as formas de uma deusa africana, como os amigos diziam, e cansara do assédio dos motoristas. Verificou que havia muitos carros elétricos rodando no bairro. Poucos do tipo rat, mas preferia esperar o veículo sem muito acabamento e de menor pegada ambiental, do que os modelos futuristas cheios de plástico e pinturas custosas. O app sócio-ambiental SociAmb também lhe dizia quais grupos demográficos eram mais atingidos pela sua escolha. Ao não escolher o transporte com motorista, espetava os homens brancos entre 28 e 50, justamente o grupo mais conservador e reacionário.

Nathaima guardou o smartphone na bolsa e sorriu, não sem culpa. Sentia que agir como se pertencesse a um grupo de pressão sem de fato fazer parte de uma entidade organizada parecia diluir a força política dos seus atos. Cheirava ao simples ventilar de ressentimentos. Mas agir como uma força individual de correção não era exatamente o que se exigia da pessoa consciente?

Mais tarde, o carro chegou. Com piados digitais, estacionou do outro lado da rua. Nathaima conferiu o número, pintado na lateral e semi-encoberto por pichações, e foi até ele. Havia isso. Quando pior fosse a aparência de novo e bem-cuidado, maiores as chances do veículo ser alvo de pichação. Mas este rat em particular tinha as células solares descobertas e limpas, e pneus em bom estado. Ela entrou. Já tinha o smartphone na mão com os dados do endereço de destino. Pressionou aparelho contra o painel receptor e pôs o dedo no ícone de confirmar na touchscreen. Não gostava de comandos vocais — sentia-se uma tonta que falava sozinha. Seus pais diziam que a tia Sophie costumava falar sozinha porque nunca se adaptara à vida no Brasil e ao português. Nathaima não queria ser esquisita como a tia Sophie… O carro partiu.

Elétricos autônomos costumavam rodar a 15 % da velocidade limite. Na capota havia um pequeno painel de LED que informava isso aos outros veículos. Os mais apressados contornavam o rat com a buzina raivosa dirigida à passageira. Para não pensar no buzinado constante, ela usou o bluetooth para linkar o seu phone com a tela de brilho superior no painel do carro. Conferiu as notícias. Sua atenção maior foi para a cobertura dos trabalhos da Comissão da Verdade do Ecocídio de 2019 a 2024. A corrupção ativa do lobby ruralista era o foco. Impressionante, mas o patriarcalismo descarado pulsava em declarações muito repetidas pelos oligarcas rurais de que “a terra era deles e faziam o que queriam com ela”. “É minha pra botar fogo, se eu quiser…” “O direito à propriedade está acima das regulações…”

Felizmente, tanta arrogância só os fazia enrolar ainda mais a corda no pescoço. Pelo menos junto aos observadores internacionais e às ONGs da área, que exigiam cabeças e reparações. O confisco das terras desses autoritários seria o ideal, na mente de Nathaima e na de muita gente. A melhor reparação seria converter boa parte das terras confiscadas em reservas para sequestro florestal de carbono. Alguns ruralistas até confessaram que a agressividade do lobby naquele período negro da história do Brasil havia trazido uma insegurança jurídica insustentável para o setor, depois que o ecocídio fora confirmado pela ONU.

O especial foi produzido pela equipe do 9º Curso Estado de Jornalismo Econômico., parte de um programa que o Grupo Estado desenvolve para o treinamento específico para jovens repórteres.

A íntegra de “No Santuário” você acha aqui.

Sem comentários até agora, comente aqui!

Roberto Causo em Antologia de FC Latino-Americana

O escritor Roberto Causo é o único brasileiro incluído na antologia de ficção científica latino-americana América Fantástica, editada por Mariano Villarreal para a editora espanhola Huso.

 

 

Brasa 2000” é o conto de Roberto Causo, selecionado por Mariano Villarreal, experiente editor espanhol, responsável pela série de antologias Nova Fantástica. O conto de Causo uma narrativa de guerra futura ambientada na cidade de São Paulo, durante uma guerra entre Brasil e Argentina, na qual drones de ataque são utilizados na grande metrópole. A história apareceu primeiro em Ficções: Revista de Contos N.º 15 (2006), e no mesmo ano na revista eletrônica argentina Axxón N.º 169 (2006), com tradução de Sergio Gaut vel Hartman, e em outra antologia de FC latino-americana, Qbit: Antología de la nueva ciencia ficción latinoamericana, editada por Raúl Aguiar para a Casa de las Americas, em Havana, Cuba, e publicada em 2012. O conto saiu ainda na revista eletrônica Perry Rhodan Volume 44, em 2016.

Histórias de guerra futura são raras no Brasil. Há precedentes, porém, como o romance A Invasão (1980), de José Antonio Severo, e o conto “A Pedra que Canta” (1991), de Henrique Flory. Mais tarde, a invasão do Iraque em 2003 levou a uma pequena onda de romances de guerra futura envolvendo o choque de uma superpotência tecnológica com o Brasil. A Guerra da Amazônia (2004), de Carlos Bornhofen, é um exemplo, assim como A Ira da Águia (2005), de Humberto Loureiro.

Villarreal calcula que, não havendo atrasos, “a antologia começará sua distribuição no mês de abril, dividida em dois volumes por razões comerciais (só o primeiro já ocupa 500 páginas)”. Fala-se em uma promoção do livro entre  17 e 20 de julho, quando “se celebra el Festival Celsius em Avilés, o evento literário mais importante do estado espanhol quanto à literatura fantástica e de ficção científica”. A Huso Editorial y Ediciones Cumbrias, de Madrid, é dirigida por Mayda Bustamante e possui um caráter bem internacional.

O índice de América Fantástica: panoráma de autores latinoamericanos fantásticos del nuevo milénio (abaixo) revela que “Brasa 2000“, na tradução de Sergio Gaut vel Hartman, é a única contribuição ficcional brasileira — uma honra para Roberto Causo, que também escreveu para Villarreal um ensaio curto sobre a ficção científica no Brasil, incluído no livro.

PRÓLOGO, por Mariano Villarreal

ARGENTINA
FANTÁSTICO Y CIENCIA FICCIÓN EN ARGENTINA, por Mariano Villarreal & Laura Ponce
BONSAI, de Martín Felipe Castagnet
EL DESENTIERRO DE LA ANGELITA, de Mariana Enríquez
LA CIUDAD DE LOS CÉSARES, de Carlos Gardini
EL CÍRCULO SE CIERRA, de Sergio Gaut vel Hartman
LOS REYES MUERTOS, de Teresa P. Mira de Echeverría
SIDGRID, de Laura Ponce
OCTAVIO, EL INVASOR, de Ana María Shua

BOLÍVIA
LA SEMILLA DE LA CIENCIA FICCIÓN BOLIVIANA, por Giovanna Rivero
NUESTRO MUNDO MUERTO, de Liliana Colanzi
LA CASA DE LA JERERE, de Edmundo Paz Soldán
PASÓ COMO UN ESPÍRITU, de Giovanna Rivero

BRASIL
CIENCIA FICCIÓN BRASILEÑA, por Roberto de Sousa Causo
BRASA 2000, por Roberto de Sousa Causo

COLÔMBIA
CIENCIA FICCIÓN COLOMBIANA: EN NUESTRO CASO ES ENCUENTRO, por Rodrigo Bastidas Pérez
SIMBIOSIS, de Luis Carlos Barragán
SACRIFICIO DE DAMA, de Julio César Londoño
EL NIÑO SIN BRAZO, de Cristian Romero

COSTA RICA
LA CIENCIA FICCIÓN EN COSTA RICA (1899-2018), por Iván Molina Jiménez
FRENTE FRÍO, de Jessica Clark
BICENTENARIO, de Iván Molina Jiménez

CUBA
LA CIENCIA FICCIÓN EN CUBA, por Daína Chaviano & Elaine Vilar Madruga
KAREL 5092, de Raúl Aguiar
NÍOBE, de Daína Chaviano
GOMEN NASAI, LORCA-SAN, de Michel Encinosa Fú
RECUERDOS DE UN PAÍS ZOMBI, de Erick J. Mota
MARIPOSAS DEL OESTE, de Elaine Vilar Madruga
AMBROTOS, de Yoss

CHILE
CIENCIA FICCIÓN A LA CHILENA, por Marcelo Novoa
MARIANA, de Jorge Baradit
PATRIA AUTOMÁTICA, de Álvaro Bisama
SPOILED, de Alicia Fenieux
LOS QUE NO VUELVEN, de Gabriel Mérida
EL ÚLTIMO VIAJE DEL TIRPITZ, de Alberto Rojas Moscoso

PRESENTAÇÃO DOS AUTORES
AGRADECIMENTOS

Temos 2 comentários, veja e comente aqui

Luiz Bras Resenha “Mestre das Marés”

O escritor Luiz Bras resenhou o romance Mestre das Marés, segundo livro da série As Lições do Matador, de Roberto Causo.

 

Arte de capa de Vagner Vargas.

A resenha apareceu em 4 de março no blog Ficção Científica Brasileira, que se dedica à FC nacional, em textos de até 500 palavras.

 

Na resenha, Luiz Bras começa reclamando que, na maior parte da space opera militar no campo audiovisual, “as séries e os filmes tendem a ser mais sensuais e pirotécnicos (atores bonitos, música vibrante, lutas coreografadas, explosões) e menos conceituais e abstratos (aprofundadas noções científicas, sutilezas filosóficas, inteligência tática, pragmatismo) do que os contos e os romances”. E ainda: “Nas space operas audiovisuais, por exemplo, nada me aborrece mais do que as batalhas no espaço. Quando duas frotas antagônicas se encontram, não há qualquer planejamento, não há a mínima estratégia. Os artilheiros e os pilotos parecem malucos chapados. Os caças voam bestamente atirando pra todos os lados. Em solo a situação não é melhor: as tropas parecem mais um bando de bárbaros desnorteados, gritando e disparando a torto e a direito.”

 

Em contraste e sobre Mestre das Marés, Luiz Bras observa:

“Um dos elementos mais elaborados oferecidos pelo romance Mestre das Marés, de Roberto de Sousa Causo, é justamente o que falta nas minisséries e nos filmes de ficção científica militar: estratégia. […] Também dá gosto ler uma space opera em que a maioria dos personagens é parda, negra ou índia.” —Luiz Bras.

A resenha completa você pode conferir aqui.

 

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Ramiro Giroldo (da UFMS) resenha “Shiroma, Matadora Ciborgue”

O escritor Luiz Bras criou o blog Ficção Científica Brasileira como um guia de leitura e testemunho da existência da FC nacional, dirigido especialmente a quem duvida.

Desde a sua recente criação em dezembro de 2016, o blog já publicou mais de uma dúzia de resenhas — e uma lista de obras brasileiras de destaque, fornecida por várias personalidades da FC nacional de hoje.

Glória Sombria

Arte de Vagner Vargas

Em janeiro, o Prof. Ramiro Giroldo, da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, publicou duas resenhas do Universo GalAxis. A primeira, do romance Glória Sombria: A Primeira Missão do Matador, apareceu em 10 de janeiro.

Agora, no dia 15, foi publicada uma resenha de Shiroma, Magadora Ciborgue, na qual Giroldo registra o “completo domínio narrativo de Causo, que salta aos olhos na forma como a fabulação mantém um ritmo instigante e sem embaraços”, e ainda, como “Shiroma é uma representação positiva do feminino, capaz de evocar analogias com a circunstância autoritária imposta pelo patriarcado”.

Finalmente, a nova resenha também reconhece como a série Shiroma, Matadora Ciborgue destaca a “tradição literária da ficção científica explicitamente trazida à tona nas dedicatórias de algumas das narrativas, interessadas em homenagear autores como Fausto Cunha, Rubens Teixeira Scavone e Clark Darlton”.

 

 

Shiroma Matadora Ciborgue

Arte de Vagner Vargas

 

 

 

 

Sem comentários até agora, comente aqui!