Horizonte de Eventos

Eventos

O Universo GalAxis na Comic Con Experience 2017

O Universo GalAxis esteve presente na Comic Con Experience 2017, o maior evento de cultura pop do planeta, graças a Taira Yuji e seu estúdio, o Desire®, que contou com mesa dupla no Artist’s Alley.

 

Realizada entre os dias 7 e 10 de dezembro, a Comic Con Experience 2017 teve o maior público de todas as Comic Cons espalhadas pelo mundo: 227 mil pessoas. O Desire® Universe, criação do designer gráfico Taira Yuji, esteve presente na CCXP 2015, causou um grande impacto na edição de 2016 do evento, e foi convidado pela direção a ocupar uma mesa dupla na seção Artist’s Alley da CCXP 2017. Roberto Causo, o criador do Universo GalAxis, teve chance de participar da mesa com os livros Glória Sombria e Shiroma, Matadora Ciborgue, além de um lindo banner produzido por Yuji.

 

Com o falecimento do editor de Roberto Causo na Devir BrasilDouglas Quinta Reis, em outubro de 2017, Causo procurou Taira Yuji para formar com o artista Vagner Vargas uma sociedade visando fortalecer, diversificar e promover o Universo GalAxis. A incorporação dos primeiros dois livros do universo, na mesa do Desire® na CCXP 2017 foi a primeira ação no sentido de formarem essa sociedade.

 

 

Causo esteve na mesa com o brilhante artista digital Diego Cunha, que já produziu imagens fabulosas para o Desire® Universe, e a artista e tatuadora Marine Perrenoud, além do próprio Taira Yuji. Parte do pessoal do Desire® foi caracterizado com trajes tradicionais japoneses, já que a criação de Yuji tem forte conexão com aquele país. A mesa dupla foi das mais elogiadas pelos transeuntes e colegas artistas, inclusive pelo quadrinista americano David Mack, famoso por seu trabalho com as séries de quadrinhos Kabuki e Daredevil. Diego Cunha vendeu tantos prints, que Yuji precisou mandar imprimir um lote emergencial.

Entre os vários encontros que a participação no evento proporcionou, Roberto Causo teve chance de rever Felipe Castilho, autor de Ordem Vermelha: Filhos da Degradação, um dos produtos mais promovidos em toda a Comic Con Experience desse ano; os escritores Marcelo Cassaro e Leonel Caldela; e também os quadrinistas Raphael Fernandes e Felipe Folgosi.

Causo também conheceu uma jovem nipo-brasileira chamada Naomi Shiroma — numa adorável coincidência com a protagonista da sua série Shiroma, Matadora Ciborgue.

Aqui, leia uma declaração de Taira Yuji sobre a formação da Sociedade GalAxis.

 

Roberto Causo e o artista Diego Cunha.

As artistas associadas ao Desire Universe vestiram trajes tradicionais japoneses.

Naomi Shiroma se tornou uma leitora de Shiroma, Matadora Ciborgue.

Taira Yuji explica o Desire Universe.

O banner do Universo GalAxis foi exibido na CCXP 2017.

Sem comentários até agora, comente aqui!

Shiroma na Antologia “Trasgo Ano 1”

A primeira história de Shiroma, “Rosas Brancas”, está na antologia Trasgo Ano 1, organizada pelo editor e fundador da revista Trasgo, Rodrigo van Kampen.

 

A primeira antologia da revista Trasgo tem arte de capa de Kelly Santos.

Rodrigo van Kampen resolveu lançar em 2016 uma campanha de financiamento coletivo para uma antologia envolvendo as histórias significativas presentes no primeiro ano da revista eletrônica Trasgo, criada em 2014 e publicada a partir de Campinas, SP, dedicada à ficção científica e fantasia. A antologia foi lançada em 25 de novembro de 2017, em um bar na Rua Oscar Freire, diante da Estação Sumaré do Metrô e não longe de onde mora o escritor Roberto Causo — presente na antologia com a história de Shiroma, “Rosas Brancas”, e com o prefácio do volume.

O livro traz ilustração de capa de Kelly Santos e 26 histórias assinadas por Hális Alves, Karen Alvares, Marcelo Porto, Claudia Dugim, Melissa de Sá, Ana Lúcia Merege, Victor Oliveira de Faria, Jim Anotsu, George Amaral, Albarus Andreos, Cristina Lasaitis, Gael Rodrigues, Caroline Policarpo Veloso, Claudio Parreira, Tiago Cordeiro, Liége Báccaro Toledo, Jessica Borges, Fred Oliveira, Mary C. Muller, Ademir Pascale, Érica Bombardi, Gerson Lodi-Ribeiro, Enrico Tuosto, Lucas Ferraz e do próprio van Kampen — sem dúvida, um mostruário muito bom e diversificado, de autores da Terceira Onda da Ficção Científica Brasileira, temperado com alguns veteranos como o próprio Causo e seu contemporâneo, Lodi-Ribeiro.

O prefácio de Causo faz um apanhado da história das revistas de ficção científica no Brasil, e aponta o lugar possível da Trasgo no contexto do formato eletrônico, destacando justamente essa variedade e abertura:

“A revista de van Kampen supera tendências circunstanciais, círculos e cabalas dentro do campo brasileiro da FC e fantasia. Esta antologia é testemunho de tal abertura, ecletismo e generosidade profissional — derradeiramente, a única estratégia possível para representar a variedade do estado dessa literatura no Brasil.” —Roberto Causo.

Arte de capa e Jânio Garcia.

“Rosas Brancas” foi primeiro publicado na revista Portal Solaris (2008), editada por Nelson de Oliveira, e apareceu mais tarde na Trasgo N.º 3, em 2014. Foi a história de abertura do que se tornaria a série Shiroma, Matadora Ciborgue.

O lançamento ocorreu numa tarde calorenta de sábado, com uma feira de empreendedorismo ocorrendo na frente do local, com direito ao show de uma banda de rock. Causo encontrou-se com van Kampen, Claudia Dugim, e alguns escritores conhecidos mas que não estão na antologia: Marcelo Augusto Galvão e Fábio Fernandes. O primeiro livro de Rodrigo van Kampen, a novela fix-up Trabalho Honesto, uma ficção científica do tipo cyberpunk ambientada em Campinas, também estava sendo autografado. O livro tem capa de Jânio Garcia e ilustração de frontispício de Victor Strang. Faz parte de uma série de histórias com o mesmo herói, formando o universo ficcional O Legado dos Portais.

Depois da sessão de autógrafos, houve um debate sobre o estado da ficção científica e fantasia no Brasil, muito elogiado no Facebook.

 

Roberto Causo agradece a Rodrigo van Kampen pela oportunidade de escrever o prefácio da antologia Trasgo Ano 1.

 

Rodrigo van Kampen.

Claudia Dugim (centro) e Karen Alvares.

À esquerda: Marcelo Augusto Galvão e Fábio Fernandes.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Causo Fala Sobre o Filme “A Chegada”, na UNIFESP

Em 6 de novembro de 2017, Roberto Causo esteve no campus de Guarulhos da Universidade Federal  de São Paulo, para uma atividade da Semana do Inglês, dirigida aos alunos de graduação do curso de Inglês da Faculdade de Letras daquela universidade. O assunto foi o filme A Chegada (Arrival, 2016), dirigido por Denis Villeneuve, e a premiada noveleta do escritor sino-americano Ted Chiang que o inspirou, “História da sua Vida”.

 

 

O convite para falar no evento foi feito pela Prof.ª Suzanna Mizan, a quem Causo conheceu na pós-graduação na Faculdade de Letras da Universidade de São Paulo, em 2014. Os dois foram acompanhados pelo mesmo orientador, o Prof. Lynn Mário Trindade Menezes de Souza. Esta foi a primeira Semana do Inglês realizada na UNIFESP de Guarulhos. Depois da exibição do filme em DVD, Causo falou sobre suas implicações e sobre a noveleta.

O filme de ficção científica de Villeneuve foi muito bem recebido pela crítica e rendeu uma indicação ao Oscar para a protagonista, Amy Adams. A resposta foi tão positiva, que logo o diretor canadense foi chamado para dirigir Blade Runner 2049. Contudo, o projeto da adaptação cinematográfica da história de Ted Chiang é do roteirista Eric Haisserer.

 

Quanto a Ted Chiang, sua carreira começa em 1991, quando é indicado e recebe o Prêmio Nebula pela noveleta “A Torre da Babilônia” (“Tower of Babylon”), publicada na revista Omni. As duas histórias estão presentes no primeiro livro de Chiang publicado no Brasil, História da sua Vida e Outros Contos (Histories of your Life and Others), pela Intrínseca. O fato de ele publicar esporadicamente e de ainda não ter se dedicado à escrita de um romance assinala o seu desinteresse em ter uma carreira comercial na ficção científica. Nesse mesmo sentido, suas histórias são vistas como altamente literárias e arrojadas. Dificilmente alguns dos seus textos deixa de ser indicado aos principais prêmios do campo da FC.

“História da sua Vida” pertence a um subgênero bastante específico da ficção científica, as histórias de primeiro contato. Um exemplo disponível nas livrarias brasileiras é o romance clássico O Fim da Infância (1953), de Arthur C. Clarke.

Como FC, a história combina elementos de ficção científica hard (centrada nas ciências exatas), e ficção científica soft (centrada nas ciências humanas). No caso, seriam respectivamente a física ótica e física quântica, e a linguística e a filosofia, respectivamente. É claro que, tanto no filme quanto na noveleta, o componente mais saliente é a linguística, já que o enredo gira em torno da decifração de uma língua alienígena, por uma linguista americana, a Dr.ª Louise Banks. Causo lembrou que o primeiro contato entre uma cultura e outra é um fato da vida real, e que o Brasil é pródigo em primeiros contatos (entre nossa cultura e as diversas culturas indígenas que interagem conosco).

Uma outra oposição que foi tratada na apresentação, é aquela entre ficção de gênero e ficção literária. The Encyclopedia of Science Fiction (1993), de Peter Nicholls & John Clute faz inclusive uma distinção, “genre sf ” e “non-genre sf” para destacar o fato de que um trabalho de FC pode ser apresentado ou não como parte dou gênero, ou ter uma tônica popular ou comercial (ficção de gênero) ou não (literária). Obviamente, a escrita de Chiang é mais literária, mas fica claro que o filme buscou aspectos da ficção de gênero, aproximando-se do thriller para garantir viabilidade maior nas bilheterias.

Como uma FC mais literária, “História da sua Vida” apresenta características exemplares da ficção pós-modernista americana atual: ausência de enredo ou de intriga; a descrição de slices of life ou instantes da vida; uma prosa complexa e com algo de experimental; o tema da perda pessoal; o caráter metalinguístico ou metaficcional; a ênfase na memória e na psicologia; a projeção de um ethos universitário nos valores e na linguagem representados; e referências literárias (no caso, a Jorge Luis Borges).

A complexidade da prosa de “Historia da sua Vida” aparece no tempo verbal que funde pretérito perfeito e futuro do pretérito. Além disso e igualmente refletindo a premissa central da história — de que o aprendizado de uma língua alienígena em que o tempo é circular e não linear —, ocorre, no plano estrutural, um embaralhamento da ordem cronológica das situações narradas.

Por sua vez, o filme se aproxima da aventura e da ficção de gênero, mas busca ser artístico a partir de elementos cinemáticos centrados no flashback, na atmosfera, nos recursos fotográficos, no estranhamento visual, na profundidade emocional da performance dos atores, etc. Ele “compensa” a adoção de elementos mais aventurescos, com uma linguagem específica do cinema.

Metalinguagem é a linguagem que discute a linguagem, e claramente noveleta e filme possuem essa característica. Nas duas obras, a decifração da língua alienígena e o seu poder de mudar a cognição são explorados de maneiras bastante engenhosas. Quando essas reflexões se expressam no plano narrativo, elas também se apresentam como metaficção — uma ficção que discute, dramatiza ou desafia o nosso entendimento imediato do que é a ficção.

Muitas questões interessantes surgiram ao final da atividade, por parte de Suzanna Mizan e suas colegas. É claro, a hipótese de que a linguagem afeta a cognição é conhecida da área dos estudos linguísticos. Além disso, foi observado que a figura dos alienígenas no filme lembrava os seres imaginados por H. P. Lovecraft, talvez havendo aí um elemento crítico e subversivo, considerando o horror que elas inspiravam nos eruditos de Lovecraft, numa reação contrária (passado o estranhamento inicial) à da Dr.ª Banks e do seu colega, o físico Donnelly. Mais tarde, quando Causo lembrou que, no filme, a improvável casa que Banks tinha à beira do lago faz uma oposição de sentido com a paisagem rural tétrica em que uma das naves se manifesta, a mesma pessoa apontou uma conexão om o gótico americano, em que o ambiente rural é fonte de fatos ou coisas terríveis.

Outra colega notou que, na subtrama envolvendo o general chinês (exclusiva do filme), também está presente o tema da perda, já que é por saber das últimas palavras preferidas pela esposa moribunda do general, que Banks tem uma abertura para a simpatia e a colaboração dele.

Roberto Causo recebeu da Prof.ª Mizan um exemplar da edição americana pela Vintage, de Stories of Your Life and Others, e deixou com ela um exemplar de Shiroma, Matadora Ciborgue, e para a biblioteca da universidade, sua antologia Contos Imediatos (Terracota Editorial, 2009), e o livro de M. Elizabeth Ginway, Ficção Científica Brasileira: Mitos Culturais e Nacionalidade no País do Futuro (Devir Brasil, 2005). Um exemplar extra de Contos Imediatos foi entregue a uma aluna de pós-graduação interessada em explorar a ficção científica nos seus estudos.

Os presentes concordaram que o filme de Denis Villeneuve e a história de Ted Chiang são escolhas interessantes de estudo, e se aventou a hipótese da ficção científica como assunto integrar novos eventos acadêmicos na Faculdade de Letras da Universidade Federal  de São Paulo em Guarulhos, no futuro.

 

 

 

 

Roberto Causo agradece à Prof.ª Suzanna Mizan pela oportunidade de falar na UNIFESP.

 

A Profa. Suzanna Mizan (no centro) e suas alunas e colegas.

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Luiz Bras, Fábio Fernandes e Roberto Causo no 11.º EBICC

Os escritores de ficção científica Luiz Bras, Fábio Fernandes e Roberto Causo estiveram no painel “Hiperconexões: A Ciência Cognitiva na Literatura Brasileira“, durante o 11.º Encontro Internacional de Ciência Cognitiva.

 

O evento aconteceu na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, de 30 de outubro a 1.º de novembro de 2017.

Vale lembrar que desde cedo a ficção científica buscou explorar questões da percepção da realidade e dos condicionantes do pensamento, da mente e da razão. No gênero, a cognição aparece delimitada por fatores evolucionários ou relativos às leis da física, aos processos biológicos do cérebro, aos processos sociais formativos, a possíveis interfaces eletrônicas e à inteligência artificial, à própria linguagem e à subjetividade étnica ou de gênero, a culturas e rituais, a normas subjacentes de complexidade.

Na novela “Un autre monde” (1895), por exemplo, o escritor belga J. H. Rosny aîné conta a história de um super-homem — o primeiro de um salto evolutivo da humanidade — que, como uma das suas habilidades superiores, tem o poder de ver um outro mundo, com toda uma biologia própria, intercalado com o nosso. A metáfora aí é a evolução.

Na era das revistas pulp, nas décadas de 1920 e 1930, havia a exploração de “variações de pensamento” (thought variations), em que surgia uma espécie de mote nas revistas, levando à “glosa” feita por vários autores. Uma das mais comuns tratava do macro e do micro: o herói tem acesso, em razão de algum experimento científico, a uma percepção da grandeza do universo ou tem acesso a mundos inteiros existentes dentro de um átomo. A metáfora aí é, muitas vezes, a de passagem ou transição.

Uma versão mais sofisticada da sugestão de que a realidade da física teria efeito sobre a cognição está no romance Brain Wave (1954), de Poul Anderson, em que uma espécie de campo de força natural na galáxia afetaria negativamente a inteligência em certas áreas da Via Láctea. Vernon Vinge fez uma glosa tardia no premiado A Fire upon the Deep (1992), propondo que gradientes da gravitação organizariam os níveis de inteligência das diversas civilizações da nossa galáxia — e também a possibilidade da inteligência artificial e do voo mais rápido que a luz.

O escritor Howard Fast, conhecido pelo romance Espártaco (1951), propôs na novela “The First Men” (1960) que os casos de crianças criadas por animais selvagens sugeriam uma plasticidade tamanha da mente humana, que a mera libertação dos laços e fardos familiares, associada a um ambiente rico em conhecimentos, levaria um grupo de crianças selecionadas a uma ampliação da mente e poderes intelectuais e paranormais que também conduziriam a um novo estágio da espécie. A metáfora aí é a expansão da mente, e outra obra que se pode citar é a mais famosa história de “Mogli” da FC, Estranho numa Terra Estranha (1961), de Robert A. Heinlein, que conta a história de um jovem terrestre criado entre os mais desenvolvidos marcianos.

Ainda nas décadas de 1950 e 60, argumentos semelhantes de fuga das amarras sociais, mais a emergente cultura das drogas e de expansão da mente, levam a uma série de obras de conteúdo semelhante. Mas o escritor americano Philip K. Dick foi um dos melhores resultados desse quadro, caracterizando-se como o criador de histórias — muitas vezes filosóficas, intrigantes ou paranoicas — sobre realidades sintéticas.

Surgido na Inglaterra em meados da década de 1960, a New Wave (que Dick meio que integrou nos Estados Unidos) produziu muitas histórias em que a subjetividade afeta o ambiente e ambiente afeta a subjetividade, em histórias de Brian W. Aldiss e J. G Ballard. A expressão americana da New Wave, contando com trabalhos de Ursula K. Le Guin, Roger Zelazny e Samuel R. Delany, muitas vezes ajustava essa noção imaginando contextos de FC em que mitologias (como expressão do inconsciente dos povos ou de subjetividades étnicas ou culturais enraizadas) tinham vigência.

Quando o Movimento Cyberpunk explode na década de 1980, surgem os conceitos da “liberação em relação à carne” propiciada pela “realidade virtual“, ambos apresentados por William Gibson em Neuromancer (1984). A metáfora no cyberpunk é a da cognição e do cérebro como associados à computação, analogia existente desde fins da década de 1940 e também explorada por Aldiss na New Wave. No cyberpunk frequentemente há uma correspondência entre a estrutura e o funcionamento do cérebro e os processos eletrônicos da computação.

O cyberpunk também apontou o caminho para a discussão da pós-humanidade pelo aumento de capacidades (outra metáfora), pela tecnologia. O ponto mais extremo dessa hipótese é a singularidade pós-humana, em que a mente ou a consciência seria de algum modo digitalizada e postada em sistemas de computadores, levando a uma existência virtualmente imortal e de possibilidades ilimitadas.

Recentemente, o filme  A Chegada, de Denis Villeneuve, explorou a própria ideia de que língua e intelecção andam juntas, e que aprender uma nova língua muda a cognição. No caso desse filme baseado na noveleta “História da sua Vida”, de Ted Chiang aprender uma língua alienígena leva uma linguista a perceber a passagem do tempo de um modo diferente.

 

No Brasil

A Rainha do Ignoto, da escritora e professora cearense Emília Freitas, é um romance pioneiro publicado em 1899, no qual um grupo secreto de mulheres, as Paladinas do Nevoeiro, realizam missões de resgate de mulheres abusadas e de escravos apoiadas pela liberdade que a hipnose dá a elas, pois são percebidas pelas pessoas em torno como homens. Décadas mais tarde, André Carneiro falaria da auto-hipnose compondo a realidade de um sujeito — alternando a decoração de sua casa, a aparência de sua esposa —, no conto “O Homem que Hipnotizava” (1963).

No ótimo romance A Amazônia Misteriosa (1925), de Gastão Cruls, uma bebida alucinógena amazônica leva um médico a uma espécie de viagem no tempo em que ele fala com o Imperador Inca Atahualpa e testemunha as atrocidades dos conquistadores. A experiência vem colorir a sua passagem pela aldeia perdida das amazonas — que têm entre elas um cientista germânico que faz experiências atrozes com os meninos, que são o refugo da sociedade feminina das amazonas.

No seu clássico de 1963, “A Escuridão”, recentemente republicado na antologia The Big Book of Science Fiction (2017), de Ann & Jeff VanderMeer, André Carneiro propõe um misterioso fenômeno global que rouba da Terra todas as fontes de luz. Mergulhados na escuridão paulatina, um grupo de sobreviventes urbanos descobre que são justamente aqueles com a limitação da cegueira, os mais aptos a guiá-los durante o terrível fenômeno.

Na noveleta O 31.º Peregrino (1993), de Rubens Teixeira Scavone, um dos melhores textos da FC brasileira do final do século 20, um grupo de viajantes da Inglaterra do século 14 se depara com as hipóteses muito modernas do disco voador e da abdução alienígena, mas enxergam as ocorrências com que se deparam a partir do sistema de pensamento da sua época, religioso e místico, interpretando-os como visitações demoníacas e aparições celestiais.

Publicado em 2009, O Dias da Peste, de Fábio Fernandes, é um romance brasileiro que aborda a singularidade tecnológica — que, segundo expresso pelo próprio Fábio durante a mesa na EBICC, acontece quando redes de computador ganham consciência e se associam momentaneamente aos seres humanos como tutores às vezes inadvertidos.

O Alienado (2012), de Cirilo S. Lemos, é um complexo romance sobre sociedades secretas, memória, trauma e rejeição sexual, escrita e sublimação psicológica, tudo costurado em uma trama paranoica de realidade sintética. Um dos marcos genuínos da Terceira Onda da FC Brasileira.

Luiz Bras também investiu nas realidades sintéticas do tipo virtual, em várias histórias da sua coletânea Paraíso Líquido (2009), uma das mais experimentais dentro da FC brasileira, desde O Fruto Maduro da Civilização (1993), de Ivan Carlos Regina, e Mundo Fantasmo (1994), de Braulio Tavares.

 

No Evento

A perspectiva do trans-humanismo dominou o painel “Hiperconexões: A Ciência Cognitiva na Literatura Brasileira” — que aconteceu na terça-feira, dia 31 de outubro. Luiz Bras fez a mediação não apenas da mesa, como da audiência, pois a atividade foi bastante aberta e permitiu que as pessoas falassem diretamente. Fábio Fernandes resumiu em postagem no Facebook: “Uma mesa-redonda que começou falando sobre o pós-humano, depois (a pedido da plateia) acabou entrando no tema das distopias e utopias, e fechou com um papo sobre nossos métodos de trabalho.”

—Roberto Causo

 

Luiz Bras e Fábio Fernandes na Escola de Comunicações e Artes.

Luiz Bras, Fábio Fernandes e Roberto Causo.

Fábio Fernandes e Luiz Bras (mediando a plateia).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Causo Participa de Mesa na Uninove, em São Paulo

Em 6 de outubro de 2017, a convite do Prof. Elton Furlanetto, Roberto Causo falou na Jornada de Tradução e Interpretação, no âmbito do curso de Letras Inglês, juntamente com o escritor mainstream Mauro Paz.

A Universidade Nove de Julho tem um campus enorme na Av. Mattarazzo, em São Paulo. Em 5, 6 e 7 de outubro, o curso de Letras Inglês organizou a Jornada de Tradução e Interpretação. Um dos organizadores, o Prof. Elton Furlanetto, convidou Roberto Causo a participar de um bate-papo com o escritor Mauro Paz, autor do romance Entre Lembrar e Esquecer (Editora Patuá, 2017), para uma platéia de uns quarenta alunos e professores.

Elton Furlanetto e Mauro Paz.

Antes de irem para o palco, Causo tirou sua camisa xadrez, porque o padrão era quase idêntico ao de Mauro Paz. Isso deu chance a ele de exibir a sua camiseta de Star Wars…

Elton fez a mediação, perguntando como os dois escritores entraram no mundo da literatura, quais foram suas dificuldades iniciais, e o trabalho de cada um. Paz, que começou como letrista de banda de rock, falou do seu projeto Istacontos, de pequenas narrativas inspiradas em fotografias que ele mesmo realiza. Também das dificuldades iniciais, escrevendo ainda enquanto vivia em Porto Alegre, e reconhecendo que atualmente a abertura para a literatura brasileira é bem maior. Ele fez oficinas lá em Porto Alegre, como aquela famosa dirigida por Assis Brasil, e publicou pela primeira vez em 2002. Seu livro mais recente é Entre Lembrar e Esquecer, inspirado em um incidente real envolvendo o assassinato de um jovem negro em Porto Alegre, mas com circunstâncias familiares e sociais ficcionalizadas. Nele, Paz interroga o que é ser negro no Brasil — e no Sul, em especial, onde, segundo ele, a problemática é particularmente difícil. Roberto Causo notou que ambos têm esse ponto em comum: dois escritores caucasianos que escreveram sobre a situação do afro-descendente — Causo com o seu primeiro romance, a fantasia contemporânea A Corrida do Rinoceronte (2008).

Os dois escritores puderam usar um laptop com conexão de internet e Powerpoint para apresentar parte do seu trabalho aos presentes. Causo abriu justamente a página de GalAxis, Conflito e Intriga no Século 25. Paz mostrou os seus Istacontos. Também falou-se da importância da tradução para a formação dos dois escritores.

Da plateia veio uma pergunta sobre a ficção científica como aventura e como literatura de entretenimento, se ela se restringe a isso. Causo apontou que o gênero remonta ao século 19 e mesmo antes, e que sempre houve espaço para discussões sociológicas (como na utopia, um ramo ainda anterior). Noutro plano, o conto cautelar (como em alguns dos livros de H. G. Wells e nas histórias de guerra futura) discutia o status quo e as faltas da sociedade ocidental. Na década de 1950, a FC passa a ser vista com mais seriedade — mesmo porque a realidade se aproxima do gênero, com as armas nucleares, computadores e satélites artificiais —, e os escritores tornaram-se mais ambiciosos em termos literários. Na década seguinte, a New Wave promove uma aproximação ainda maior com o mainstream. Hoje, a FC está em parte tão misturada com o pós-modernismo americano, que tem gente reclamando dela ter perdido a sua originalidade inicial.

Mauro Paz lembrou que o novo filme de Denis Villeneuve, Blade Runner 2049, motivou um artigo no The Guardian apontando as razões do seu enfoque ser importante para o momento político que o planeta vive agora. Daí que a ficção científica tem o que dizer sobre a época e o que contribuir para discussões mais profundas e intelectuais.

Da plateia também veio uma pergunta sobre como lidamos com o bloqueio de escrita. Paz desse que nunca teve esse problema, pelo contrário, a dificuldade é explorar as suas muitas ideias dentro de um tema significativo como o de Entre Lembrar e Esquecer. A mesma pessoa perguntou sobre FC e feminismo, e Causo lembrou de Herland: A Terra das Mulheres (1915), de Charlotte Perkins Gilman, e de, antes dela, a brasileira Emilia Freitas e seu romance A Rainha do Ignoto (1899). Na década de 1960, Dinah Silveira de Queiroz em contos como o seu “O Carioca” (1960). Modernamente, Finisia Fideli, a esposa de Causo, trouxe em 1996 a discussão do lugar da mulher na FC, junto à comunidade brasileira de ficção científica. A Mão Esquerda da Escuridão (1969), de Ursula K. Le Guin também foi discutida por Causo e Furlanetto, e, seguindo uma dica dele, Causo mencionou o Manifesto Irradiativo — iniciativa local que busca trazer maior representatividade à literatura brasileira. A pesquisadora Libby Ginway também foi mencionada (Furlanetto passou uma temporada estudando com ela na University of Florida em Gainesville).

Livros foram sorteados e a mesa-redonda terminou com uma rápida sessão de autógrafos, antes da próxima atividade. Foi uma boa conversa, e Causo agradece o convite de Elton Furlanetto e a boa vontade dos outros participantes do evento, inclusive de Mauro Paz.

 

Roberto Causo e Mauro Paz: camisas quase iguais.

 

Sem comentários até agora, comente aqui!