Notícias Interceptadas

Notícias Interceptadas

As Lições do Matador no Multiverso Pulp da AVEC Editora

Em 4 de setembro de 2019, o editor Duda Falcão divulgou os contos selecionados para a antologia Multiverso Pulp 2: Ópera Espacial, a ser publicada oportunamente pela AVEC Editora. Entre os selecionados está “Garimpeiros”, e Roberto Causo, conto pertencente à série As Lições do Matador.

 

“Garimpeiros” abre um novo ciclo das aventuras do oficial Jonas Peregrino, nas Lições do Matador. O novo ciclo, chamado por Causo de “Serviço Colonial“, é anterior aos dois ciclos já existentes, Pré-Retração Tadai (desenvolvido com a publicação de romances) e Pós-Retração Tadai (desenvolvido com noveletas publicadas em diversas antologias). Em “Serviço Colonial”, Peregrino é um jovem segundo-tenente iniciando sua carreira como o faz-tudo da Capitã Margarida Bonadeo, comandante do destróier NLA-91 Noronha da Esquadra Latinoamericana Colonial.

As situações de “Garimpeiros” foram mencionadas em um flashback de Peregrino em Glória Sombria: A Primeira Missão do Matador (Devir Brasil, 2013). No conto, essas situações são desdobradas e dramatizadas em sua totalidade: um grupo latino-americano de mineradores de asteroides recebe a tarefa punitiva e potencialmente fatal de trabalhar em um asteroide próximo demais do vento solar emitido por uma estrela muito ativa. Eles pedem socorro, e o destróier Noronha responde ao apelo. A Capitã Bonadeo envia o Tenente Peregrino para avaliar a situação, no mesmo instante em que naves de uma potência rival surgem no sistema para bloquear qualquer ajuda. Peregrino é forçado a lidar com o pânico dos mineradores — e com a malícia dos seus dirigentes.

Arte de capa de Fred Macedo.

Causo já havia publicado uma história das Lições do Matador com Duda Falcão e seu colega editor da Argonautas Editora, Cesar Alcázar, “Tengu e os Assassinos” (2013), parte do Ciclo Pós-Retração Tadai. Essa noveleta saiu na antologia Sagas Volume 4: Odisseia Espacial, da Argonautas (ao lado), dentro de um projeto semelhante ao Multiverso Pulp de Falcão com a AVEC. Inicialmente, o criador do Universo GalAxis imaginava que o Ciclo Serviço Colonial fosse desenvolvido futuramente como histórias em quadrinhos, mas o surgimento do projeto Multiverso Pulp ofereceu uma oportunidade boa demais para dar início ao ciclo.

Os colegas de Causo no livro serão os escritores Caliel Alves, Diego Mendonça, Mélani Sant’AnaOtávio Definski, Rafael Da Silva Fontoura, Tarcisio Lucas Hernandes PereiraTassi ViebrantzTiago Rech e o próprio Duda Falcão. A relação completa dos textos selecionados para a antologia original Multiverso Pulp 2: Ópera Espacial você encontra aqui. Note a arte de capa de Fred Macedo, no melhor estilo quadrinhos de aventura e ficção científica, e com um traço fino que lembra o do mestre brasileiro Watson Portela e com o aspecto vintage do artista americano Michael Kaluta. Macedo foi o capista das antologias da série Sagas, na Argonautas.

 

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Conto Futurista de Roberto Causo no “EstadãoQR”

O conto “No Santuário”, de Roberto Causo, foi publicado em julho de 2019 no site EstadãoQR de O Estado de S. Paulo (especificamente na seção “EurecaQR“) juntamente com seis destacados escritores brasileiros de ficção científica.

O convite para a publicação partiu do jornalista Felipe

“Como os autores de ficção científica brasileiros acham que será o futuro?”

 

Trata-se de um desafio muito interessante, que toca em uma das principais funções da ficção científica como gênero literário — provocar o pensamento do futuro. A introdução de Felipe Laurence e as chamadas para cada um dos contos estão aqui. Na página de cada conto há também o acesso para uma versão podcast. Há uma certa ironia no mote do projeto ter sido as “inovações tecnológicas da Quarta Revolução Industrial” e no fato de que os contos serem “lidos” por um conhecido software de voz.

A chamada para o conto de Causo, que imagina o futuro do Brasil em quinze ou vinte anos mas com um olhar firme sobre o presente, lê: “Duas pessoas muito diferentes, em termos políticos e sociais, se encontram em um espaço especial para descobrirem quais diferenças podem ser deixadas de lado num plano secreto para mudar o mundo e evitar o último estágio da automação.”

Leia um trecho de “No Santuário”:

Nathaima Flavre deixou a plataforma do Metrô Alto do Ipiranga e subiu três monótonos lances de escada rolante até a saída. Vinha da periferia de São Paulo, não conhecia o bairro. Sabia apenas que tinha mais de um quilômetro a percorrer, até chegar ao local da entrevista de emprego. Consultou as opções de transporte autônomo no seu smartphone.

Desde que ganhara corpo, desistira do Uber como opção. Tinha as formas de uma deusa africana, como os amigos diziam, e cansara do assédio dos motoristas. Verificou que havia muitos carros elétricos rodando no bairro. Poucos do tipo rat, mas preferia esperar o veículo sem muito acabamento e de menor pegada ambiental, do que os modelos futuristas cheios de plástico e pinturas custosas. O app sócio-ambiental SociAmb também lhe dizia quais grupos demográficos eram mais atingidos pela sua escolha. Ao não escolher o transporte com motorista, espetava os homens brancos entre 28 e 50, justamente o grupo mais conservador e reacionário.

Nathaima guardou o smartphone na bolsa e sorriu, não sem culpa. Sentia que agir como se pertencesse a um grupo de pressão sem de fato fazer parte de uma entidade organizada parecia diluir a força política dos seus atos. Cheirava ao simples ventilar de ressentimentos. Mas agir como uma força individual de correção não era exatamente o que se exigia da pessoa consciente?

Mais tarde, o carro chegou. Com piados digitais, estacionou do outro lado da rua. Nathaima conferiu o número, pintado na lateral e semi-encoberto por pichações, e foi até ele. Havia isso. Quando pior fosse a aparência de novo e bem-cuidado, maiores as chances do veículo ser alvo de pichação. Mas este rat em particular tinha as células solares descobertas e limpas, e pneus em bom estado. Ela entrou. Já tinha o smartphone na mão com os dados do endereço de destino. Pressionou aparelho contra o painel receptor e pôs o dedo no ícone de confirmar na touchscreen. Não gostava de comandos vocais — sentia-se uma tonta que falava sozinha. Seus pais diziam que a tia Sophie costumava falar sozinha porque nunca se adaptara à vida no Brasil e ao português. Nathaima não queria ser esquisita como a tia Sophie… O carro partiu.

Elétricos autônomos costumavam rodar a 15 % da velocidade limite. Na capota havia um pequeno painel de LED que informava isso aos outros veículos. Os mais apressados contornavam o rat com a buzina raivosa dirigida à passageira. Para não pensar no buzinado constante, ela usou o bluetooth para linkar o seu phone com a tela de brilho superior no painel do carro. Conferiu as notícias. Sua atenção maior foi para a cobertura dos trabalhos da Comissão da Verdade do Ecocídio de 2019 a 2024. A corrupção ativa do lobby ruralista era o foco. Impressionante, mas o patriarcalismo descarado pulsava em declarações muito repetidas pelos oligarcas rurais de que “a terra era deles e faziam o que queriam com ela”. “É minha pra botar fogo, se eu quiser…” “O direito à propriedade está acima das regulações…”

Felizmente, tanta arrogância só os fazia enrolar ainda mais a corda no pescoço. Pelo menos junto aos observadores internacionais e às ONGs da área, que exigiam cabeças e reparações. O confisco das terras desses autoritários seria o ideal, na mente de Nathaima e na de muita gente. A melhor reparação seria converter boa parte das terras confiscadas em reservas para sequestro florestal de carbono. Alguns ruralistas até confessaram que a agressividade do lobby naquele período negro da história do Brasil havia trazido uma insegurança jurídica insustentável para o setor, depois que o ecocídio fora confirmado pela ONU.

A íntegra de “No Santuário” você acha aqui.

Sem comentários até agora, comente aqui!

“Mestre das Marés” É Finalista do Prêmio Odisseia

Aconteceu no dia 25 de agosto a cerimônia de revelação e entrega do Prêmio Odisseia de Literatura Fantástica 2019, parte do evento que tem o mesmo nome e que acontece desde 2013 na cidade de Porto Alegre. O romance Mestre das Marés foi um dos finalistas da categoria Narrativa Longa Ficção Científica.

 

O encontro de autores e fãs de ficção científica e fantasia Odisseia de Literatura Fantástica foi criado em 2013 pelos escritores Duda Falcão, Christian David, Cesar Alcázar e Christopher Kastensmidt, inspirado no Fantasticon, de São Paulo, fundado pelo editor Silvio Alexandre. Sempre com uma aura democrática e aberta, a Odisseia já teve convidados internacionais e reúne gente do Brasil todo.

Neste ano, os organizadores decidiram criar um prêmio anual para a produção nacional de ficção especulativa, escolhendo o melhor dentre os inscritos, todos publicados originalmente no ano anterior. As categorias são várias e dão o melhor instantâneo possível dessa produção. O prêmio foi entregue no último dia (25 de agosto) da VI Odisseia de Literatura Fantástica.

Fotografia de Daniel Folador Rossi.

Mestre das Marés, o segundo romance da série As Lições do Matador, lançado em 2018 pela Devir Brasil, foi um dos três finalistas na categoria Narrativa Longa Ficção Científica. O autor Roberto Causo foi representado na cerimônia de entrega por sua agente literária, Gabriela Colicigno, da Agência Magh. O livro que ganhou nessa categoria foi o elogiado romance Corrosão, de Ricardo Labuto Gondim. Causo ficou muito feliz, de qualquer modo, com o status de finalista na primeira edição da nascente premiação.

Veja abaixo a lista de ganhadores e de finalistas (fonte: FCBlog).

 

Narrativa LONGA Literatura Juvenil
Ana Lúcia Merege – Orlando e o Escudo da Coragem – Editora Draco.
Juliana Feliz – As Cinzas de Altivez – Midiograf.
Miriam N. Dohrn – Detektis – SGuerra Design.

Narrativa LONGA Horror
Carolina Mancini – Nihil – Editora Estronho.
Danilo Correa – Sob a Escuridão – Cervus Editora.
Pablo Amaral Rebello – Peixeira & Macumba – Independente.

Narrativa CURTA Horror
Isabor Quintiere – Madres – Editora Escaleras.
André Balaio – O Lado de lá – Editora Patuá.
Marcelo Augusto Galvão – Sombras no Coração – Independente.

Narrativa LONGA Ficção Científica
Ricardo Labuto Gondim – Corrosão – Editora Caligari.
Luiz Mauricio Azevedo Silva – Pequeno Espólio do Mal – Editora Figura de Linguagem.
Roberto de Sousa Causo – Mestre das Marés – Editora Devir.

Narrativa CURTA Ficção Científica
Saulo Adami – A Invasão dos Macacos – Editora DTX.
Alexandre Veloso de Abreu – A Necronauta – Editora Scriptum.
Fábio Fernandes e Nelson de Oliveira – Oneironautas – Editora Patuá.

Narrativa LONGA Fantasia
Paola Siviero – O Auto da Maga Josefa – Dame Blanche.
Simone Saueressig – De Ferro e de Sal – Independente.
Yasmim Naif Amin Mahmud Kader – Caçada às Estrelas da Noite: Sob o Céu da Noite Eterna I – Independente.

Narrativa CURTA Fantasia
Gabriel Cianeto – Oceano Sorvete de Uva – Editora Multifoco.
Deise Soares Ferraz de Vargas – A Ponte de Paladinos – Independente.
Marcelo Bighetti – Sacrifício Consumado – Independente.

Roberto Causo agradece a Gabriela Colicigno por representá-lo no evento, e a Daniel Folador Rossi pela autorização para o uso da sua fotografia.

Sem comentários até agora, comente aqui!

“Glória Sombria” Tem Edição em e-Book

Glória Sombria agora em versão e-book!

 

Arte de capa de Vagner Vargas

O primeiro livro da série As Lições do Matador recebeu em julho de 2018 a sua primeira edição eletrônica. Glória Sombria: A Primeira Missão do Matador mostra os passos iniciais do Tenente Jonas Peregrino na Esquadra Latinoamericana da Esfera, para onde foi transferido por interferência direta do Almirante Túlio Ferreira.

Chegando à Esfera, maior região em conflito da galáxia conhecida, Peregrino é encarregado de formar e treinar uma unidade secreta de operações especiais, que logo atrai a atenção hostil de autoridades que estão acima do próprio Almirante Túlio. Após resistir a uma primeira tentativa de invasão das instalações da unidade que ficaria conhecida como Jaguares, Peregrino e seus comandados recebem a sua primeira missão: preparar o terreno para uma grande operação militar que busca salvar uma colônia mineral estabelecida por uma civilização amiga, da aniquilação pelas naves-robôs dos misteriosos alienígenas tadais.

Glória Sombria: A Primeira Missão do Matador abre a série de space opera As Lições do Matador, e foi um romance finalista do Prêmio Argos de Literatura Fantástica, promovido pelo Clube de Leitores de Ficção Científica. A nova edição, pela Devir Brasil, mantém a bela ilustração de capa de Vagner Vargas, o mais experiente artista brasileiro de ficção científica, e corrige alguns problemas no texto da edição impressa, de 2013.

A edição em e-book está disponível na Amazon Brasil. Você pode ler uma prévia do livro aqui.

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Roberto Causo Assina com a Agência Literária Magh

Em meados de maio de 2019, Roberto Causo se tornou um dos escritores representados pela Agência Literária Magh, comandada por Gabriela Colicigno e Isabela Leite.

 

 

É a primeira vez que o escritor assina contrato com uma agência literária. Isso acontece no momento em que ele completa 30 anos de carreira, iniciada em 1989 com a publicação do conto “A Última Chance” (como “La Derniere Chance”) na revista francesa Antarès—Science Fiction et Fantastic sans Frontieres N.º 34, do editor Jean-Pierre Moumon. São três décadas de atividade literária ininterrupta. O anúncio da representação pela Magh foi feito em 30 de maio.

Criada por Colicigno & Leite em princípio de 2019, a Agência Magh é nova no mercado. O site da agência declara a intenção: “Nosso trabalho é encontrar as melhores histórias brasileiras de fantasia, ficção científica e terror e ajudar seus autores a mostrá-las para todo mundo, fazendo a ponte com editoras. Trabalhamos com romances e novelas, principalmente.” As escritoras Anna Martino e Lady Sybylla estão entre suas clientes.

Para Roberto Causo, assinar com a Magh representa a oportunidade de alcançar outros públicos e aparecer em veículos inesperados.

Meme da Agência Literária Magh brincando com uma ficha tipo RPG e divulgado no Twitter quando do anúncio de que o autor assinou com a agência. Crédito da foto: Beatriz Takeshita.

Sem comentários até agora, comente aqui!