Notícias Interceptadas

Notícias Interceptadas

Luiz Bras Resenha “Mestre das Marés”

O escritor Luiz Bras resenhou o romance Mestre das Marés, segundo livro da série As Lições do Matador, de Roberto Causo.

 

Arte de capa de Vagner Vargas.

A resenha apareceu em 4 de março no blog Ficção Científica Brasileira, que se dedica à FC nacional, em textos de até 500 palavras.

 

Na resenha, Luiz Bras começa reclamando que, na maior parte da space opera militar no campo audiovisual, “as séries e os filmes tendem a ser mais sensuais e pirotécnicos (atores bonitos, música vibrante, lutas coreografadas, explosões) e menos conceituais e abstratos (aprofundadas noções científicas, sutilezas filosóficas, inteligência tática, pragmatismo) do que os contos e os romances”. E ainda: “Nas space operas audiovisuais, por exemplo, nada me aborrece mais do que as batalhas no espaço. Quando duas frotas antagônicas se encontram, não há qualquer planejamento, não há a mínima estratégia. Os artilheiros e os pilotos parecem malucos chapados. Os caças voam bestamente atirando pra todos os lados. Em solo a situação não é melhor: as tropas parecem mais um bando de bárbaros desnorteados, gritando e disparando a torto e a direito.”

 

Em contraste e sobre Mestre das Marés, Luiz Bras observa:

“Um dos elementos mais elaborados oferecidos pelo romance Mestre das Marés, de Roberto de Sousa Causo, é justamente o que falta nas minisséries e nos filmes de ficção científica militar: estratégia. […] Também dá gosto ler uma space opera em que a maioria dos personagens é parda, negra ou índia.” —Luiz Bras.

A resenha completa você pode conferir aqui.

 

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Lançamento de “Mestre das Marés” na Loja Omniverse

A festa de lançamento do romance das Lições do Matador, Mestre das Marés, de Roberto Causo, acontece na Omniverse Livraria e Hobby Store no dia 2 de fevereiro, a partir das 16h00.

 

Graças ao interesse do proprietário da Omniverse, Luis Mauro Gonçalves Batista, Mestre das Marés terá espaço na tradicional loja nerd/geek de São Paulo. Luis Mauro já oferece à sua clientela o melhor preço de Mestre das Marés (Devir Brasil), em relação ao sugerido pela editora. Para honrar esse interesse, e dos leitores que prestigiarem o lançamento, Taira Yuji, o designer chefe e fundador do Estúdio Desire — associado com Roberto Causo e o artista de ficção científica Vagner Vargas, na administração e promoção do Universo GalAxis — produziu um poster exclusivo para a Omniverse, oferecido gratuitamente a quem adquirir lá qualquer livro das séries As Lições do Matador e Shiroma, Matadora Ciborgue.

O poster apresenta em tamanho grande (A3) a fabulosa arte de Vagner Vargas para a capa de Mestre das Marés, mostrando o trio de naves da classe Jaguar que se aproxima de um planeta devastado por um buraco negro, visto ao fundo. Traz ainda os logos do Universo GalAxis, do Estúdio Desire e da Omniverse. Vagner também estará no lançamento, autografando o poster e conversando com os presentes.

 

Vagner Vargas

 

O poster exclusivo da Omniverse Livraria e Hobby Store. Arte de Vagner Vargas. Design gráfico de Taira Yuji.

A Omniverse é localizada na Rua Teodureto Souto, N.ºs 624/630, térreo-loja. Bairro Cambuci, São Paulo-SP. Lançamento a partir das 16h00.

Sem comentários até agora, comente aqui!

Publicado o Segundo Romance da Série As Lições do Matador

Em outubro, a Devir Brasil, de São Paulo, colocou o romance Mestre das Marés, de Roberto Causo, em pré-venda na Amazon. A pré-venda foi até o dia 25 de outubro.

 

Arte de capa de Vagner Vargas.

Mestre das Marés é o segundo livro da série de ficção científica As Lições do Matador, seguindo Glória Sombria: A Primeira Lição do Matador, lançado em 2013. Traz uma aventura mais densa e uma situação mais estabelecida do que o livro anterior, que serviu para apresentar o protagonista Jonas Peregrino e a complicada situação política e estratégica em que ele é enfiado ao ser transferido para a região da galáxia conhecida como A Esfera.

Com uma forte arte de capa de Vagner Vargas, o livro tem 288 páginas, contra as 174 de Glória Sombria. Conta ainda com arte quarta capa do experiente artista brasileiro Bruno Werneck; arte de frontispício de R. S. Causo; e insígnias pelo designer Daniel Abrahão. A diagramação é de Tino Chagas.

O enredo trata de uma missão de resgate comandada por Peregrino. Uma estação espacial de pesquisa é destruída por naves-robôs tadais em um sistema fora da Esfera. Os cientistas e o pessoal técnico e de segurança refugia-se em um ex-gigante gasoso cuja atmosfera foi arrancada por jatos relativísticos lançados por um buraco negro. Nos subterrâneos desse mundo devastado, encontra-se uma máquina tadai capaz de anular a energia sísmica desencadeada pela catástrofe. Invadir as instalações da máquina e obter dados sobre ela torna-se a nova missão de Peregrino, e com o ansioso aval dos cientistas. Mas ha um esquadrão de robôs-exterminadores no caminho, e reforços inimigos a caminho…

Mestre dás Marés dá continuidade em grande estilo, à space opera militar que é a série As Lições do Matador, com combates em terra e no espaço, e uma intriga entre os cientistas que pode sabotar todos os esforços de Peregrino e seus comandados. Para complicar ainda mais, desde que testemunhou pela primeira vez a magnitude do poder do buraco negro Firedrake, Peregrino é atirado em um turbilhão de medo e insegurança.

 

Arte de Bruno Werneck.

 

O livro está à venda na Amazon.com.br.

 

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

“Galileu” Inclui “Glória Sombria” em Recomendação de FC Nacional

A versão online da revista de divulgação científica Galileu publicou em 4 de maio uma lista de ficção científica brasileira recomendada pela redação. A lista inclui Glória Sombria: A Primeira Missão do Matador (Devir Brasil, 2013), primeiro romance da série As Lições do Matador, de Roberto Causo.

 

Arte de capa de Lambuja.

A postagem acompanha uma edição nas bancas, com matéria de capa sobre ficção científica assinado por Nathan Fernandes, a Galileu N.º 322. A revista tem uma diagramação moderna e arejada, inspirada na americana Wired. A matéria foi editada por Giuliana de Toledo, a editora-chefe da publicação, e é centrada no argumento de que a ficção científica representa a realidade presente e é um instrumento importante para compreendê-la, em especial nas suas questões políticas e sociológicas. De fato, o artigo discute basicamente as tradições da utopia e distopia, citando, entre vários, Cláudia Fusco, Nelson de Oliveira, Manuel da Costa Pinto e os professores Carlos Berriel e Esther Solano.

A capa feita pelo artista Lambuja tem a rica iconografia da ficção científica na literatura e no cinema explodindo das páginas de um livro incendiado. Referência direta ao clássico distópico Fahrenheit 451 (1953) de Ray Bradbury, que, desde a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos, voltou a ser best-seller juntamente com 1984 (1949), de George Orwell. Noutra parte da revista, a coluna “Tubo de Ensaios”, o psiquiatra Daniel Barros também aborda a FC, muito apropriadamente, inclusive, destacando sua amplitude ilimitada.

A matéria online traz o título “8 Livros para Conhecer a Ficção Científica Brasileira” e a interessante chamada: “Do steampunk à space opera, produção nacional trabalha problemas da sociedade com um fundo de ciência.” É muito raro que esse tipo de recomendação parta de uma publicação como a Galileu, voltada para ciência e tecnologia junto a leitores mais jovem.

Sobre Glória Sombria, a postagem no site Galileu Online diz: “A obra de Roberto de Sousa Causo acompanha a atuação do tenente Jonas Peregrino na Esquadra Latinoamericana do século 25. O oficial deverá enfrentar seus próprios limites e as divisões internas das Forças Armadas para treinar uma unidade de elite que combata os tardais, alienígenas que ameaçam dizimar um planeta.”

A seleção é rica, eclética e bastante atual. Os títulos elencados são:

1. O Caçador Cibernético da Rua Treze, de Fábio Kabral.

2. Eros Ex Machina: Robôs Sexuais, de Luiz Bras, ed. (a única antologia listada)

3. Trilogia Padrões de Contato, de Jorge Luiz Calife.

4. Deixe as Estrelas Falarem, de Lady Sybylla.

5. A Lição de Anatomia do Temível Dr. Louison, de Enéias Tavares.

6. Glória Sombria, de Roberto de Sousa Causo.

7. V.I.S.H.N.U., de Eric Asher, Ronaldo Bressane & Fabio Cobiaco (o único romance gráfico listado).

8. As Águas Vivas Não Sabem de si, de Aline Valek.

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

“Selva Brasil” Ganha Resenha no Blog “Ficção Científica Brasileira”

Selva Brasil (Editora Draco), a novela de história alternativa de Roberto Causo foi resenhada no blog Ficção Científica Brasileira, criado por Luiz Bras. O crítico Ricardo Celestino destacou o fator de imersão que a narrativa proporciona.

 

Arte de capa de Erick Sama.

Publicado pela Editora Draco, de São Paulo, em 2010, Selva Brasil tem ilustração de capa de Erick Sama e vem colecionando resenhas e menções positivas em blogs e redes sociais. Faz parte de um trio bastante distinto de novelas de ficção científica ambientadas na Amazônia brasileira, escritas na década de 1990. As outras duas são Selva Brasil, classificada no III Festival Universitário de Literatura (da revista Livro Aberto e da Xerox do Brasil), e O Par: Uma Novela Amazônica, ganhadora do 11.º Projeto Nascente (da Universidade de São Paulo e do Grupo Abril). Selva Brasil também saiu pela Editora Draco.

O blog Ficção Científica Brasileira foi criado pelo escritor Luiz Bras (um pseudônimo de Nelson de Oliveira) para dar maior visibilidade e promoção à FC nacional.

Na resenha em questão, publicada em março deste ano, o crítico Ricardo Celestino trata primeiro do contexto da novela, em que o plano mirabolante do Presidente Jânio Quadros de invadir as Guianas, na fronteira norte do Brasil, é levado a cabo. A ação tresloucada resulta, décadas depois, em uma tensão permanente na área, com diversos choques militares acontecendo de quando em quando, na floresta amazônica. Sobre a narrativa como ficção científica, Celestino destaca:

“O tempero de ficção científica ao longo do romance não fica só na especulação de uma realidade alternativa. Há também todo um mistério em torno de um experimento militar que pode ser o elo entre a realidade paralela criada pelo autor e a nossa. O arco narrativo é bem construído, a ponto de ficarmos curiosos para saber como seria a vida privada naquela nova realidade de brasileiros um tanto quanto mais críticos e participativos na vida pública e política do país.”

Mais importante, o resenhador recebeu bem a ambientação amazônica e a descrição de uma problemática geopolítica mas também cultural, que frequentemente é tangenciada pela literatura brasileira:

“O que também existe de voz crítica no livro é a reflexão em torno da complexa situação das fronteiras brasileiras na perspectiva geográfica, política e cultural. Enquanto brasileiro, senti ao longo da leitura que perdemos a sensibilidade em relação às etnias indígenas, e desconhecemos as complexidades e as riquezas de sua arqueologia cultural.

“Fui educado pela estética sul-sudeste e Selva Brasil me proporcionou uma imersão inusitada em um território nacional pouco explorado por outras literaturas de ficção científica a que tive contato. Parafraseando Chimamanda Adichie: enquanto leitores críticos, devemos perseguir aquelas obras que nos convidam a fugir das histórias únicas sobre as culturas e as civilizações. Selva Brasil é, sem dúvida, uma ótima opção imersiva para esse exercício.”

O texto completo da resenha está disponível aqui.

Sem comentários até agora, comente aqui!