Publicações Espaciais

Publicações

Conto Futurista de Roberto Causo no “EstadãoQR”

O conto “No Santuário”, de Roberto Causo, foi publicado em julho de 2019 no site EstadãoQR de O Estado de S. Paulo (especificamente na seção “EurecaQR“) juntamente com seis destacados escritores brasileiros de ficção científica.

O convite para a publicação partiu do jornalista Felipe

“Como os autores de ficção científica brasileiros acham que será o futuro?”

 

Trata-se de um desafio muito interessante, que toca em uma das principais funções da ficção científica como gênero literário — provocar o pensamento do futuro. A introdução de Felipe Laurence e as chamadas para cada um dos contos estão aqui. Na página de cada conto há também o acesso para uma versão podcast. Há uma certa ironia no mote do projeto ter sido as “inovações tecnológicas da Quarta Revolução Industrial” e no fato de que os contos serem “lidos” por um conhecido software de voz.

A chamada para o conto de Causo, que imagina o futuro do Brasil em quinze ou vinte anos mas com um olhar firme sobre o presente, lê: “Duas pessoas muito diferentes, em termos políticos e sociais, se encontram em um espaço especial para descobrirem quais diferenças podem ser deixadas de lado num plano secreto para mudar o mundo e evitar o último estágio da automação.”

Leia um trecho de “No Santuário”:

Nathaima Flavre deixou a plataforma do Metrô Alto do Ipiranga e subiu três monótonos lances de escada rolante até a saída. Vinha da periferia de São Paulo, não conhecia o bairro. Sabia apenas que tinha mais de um quilômetro a percorrer, até chegar ao local da entrevista de emprego. Consultou as opções de transporte autônomo no seu smartphone.

Desde que ganhara corpo, desistira do Uber como opção. Tinha as formas de uma deusa africana, como os amigos diziam, e cansara do assédio dos motoristas. Verificou que havia muitos carros elétricos rodando no bairro. Poucos do tipo rat, mas preferia esperar o veículo sem muito acabamento e de menor pegada ambiental, do que os modelos futuristas cheios de plástico e pinturas custosas. O app sócio-ambiental SociAmb também lhe dizia quais grupos demográficos eram mais atingidos pela sua escolha. Ao não escolher o transporte com motorista, espetava os homens brancos entre 28 e 50, justamente o grupo mais conservador e reacionário.

Nathaima guardou o smartphone na bolsa e sorriu, não sem culpa. Sentia que agir como se pertencesse a um grupo de pressão sem de fato fazer parte de uma entidade organizada parecia diluir a força política dos seus atos. Cheirava ao simples ventilar de ressentimentos. Mas agir como uma força individual de correção não era exatamente o que se exigia da pessoa consciente?

Mais tarde, o carro chegou. Com piados digitais, estacionou do outro lado da rua. Nathaima conferiu o número, pintado na lateral e semi-encoberto por pichações, e foi até ele. Havia isso. Quando pior fosse a aparência de novo e bem-cuidado, maiores as chances do veículo ser alvo de pichação. Mas este rat em particular tinha as células solares descobertas e limpas, e pneus em bom estado. Ela entrou. Já tinha o smartphone na mão com os dados do endereço de destino. Pressionou aparelho contra o painel receptor e pôs o dedo no ícone de confirmar na touchscreen. Não gostava de comandos vocais — sentia-se uma tonta que falava sozinha. Seus pais diziam que a tia Sophie costumava falar sozinha porque nunca se adaptara à vida no Brasil e ao português. Nathaima não queria ser esquisita como a tia Sophie… O carro partiu.

Elétricos autônomos costumavam rodar a 15 % da velocidade limite. Na capota havia um pequeno painel de LED que informava isso aos outros veículos. Os mais apressados contornavam o rat com a buzina raivosa dirigida à passageira. Para não pensar no buzinado constante, ela usou o bluetooth para linkar o seu phone com a tela de brilho superior no painel do carro. Conferiu as notícias. Sua atenção maior foi para a cobertura dos trabalhos da Comissão da Verdade do Ecocídio de 2019 a 2024. A corrupção ativa do lobby ruralista era o foco. Impressionante, mas o patriarcalismo descarado pulsava em declarações muito repetidas pelos oligarcas rurais de que “a terra era deles e faziam o que queriam com ela”. “É minha pra botar fogo, se eu quiser…” “O direito à propriedade está acima das regulações…”

Felizmente, tanta arrogância só os fazia enrolar ainda mais a corda no pescoço. Pelo menos junto aos observadores internacionais e às ONGs da área, que exigiam cabeças e reparações. O confisco das terras desses autoritários seria o ideal, na mente de Nathaima e na de muita gente. A melhor reparação seria converter boa parte das terras confiscadas em reservas para sequestro florestal de carbono. Alguns ruralistas até confessaram que a agressividade do lobby naquele período negro da história do Brasil havia trazido uma insegurança jurídica insustentável para o setor, depois que o ecocídio fora confirmado pela ONU.

O especial foi produzido pela equipe do 9º Curso Estado de Jornalismo Econômico., parte de um programa que o Grupo Estado desenvolve para o treinamento específico para jovens repórteres.

A íntegra de “No Santuário” você acha aqui.

Sem comentários até agora, comente aqui!

“Glória Sombria” Tem Edição em e-Book

Glória Sombria agora em versão e-book!

 

Arte de capa de Vagner Vargas

O primeiro livro da série As Lições do Matador recebeu em julho de 2018 a sua primeira edição eletrônica. Glória Sombria: A Primeira Missão do Matador mostra os passos iniciais do Tenente Jonas Peregrino na Esquadra Latinoamericana da Esfera, para onde foi transferido por interferência direta do Almirante Túlio Ferreira.

Chegando à Esfera, maior região em conflito da galáxia conhecida, Peregrino é encarregado de formar e treinar uma unidade secreta de operações especiais, que logo atrai a atenção hostil de autoridades que estão acima do próprio Almirante Túlio. Após resistir a uma primeira tentativa de invasão das instalações da unidade que ficaria conhecida como Jaguares, Peregrino e seus comandados recebem a sua primeira missão: preparar o terreno para uma grande operação militar que busca salvar uma colônia mineral estabelecida por uma civilização amiga, da aniquilação pelas naves-robôs dos misteriosos alienígenas tadais.

Glória Sombria: A Primeira Missão do Matador abre a série de space opera As Lições do Matador, e foi um romance finalista do Prêmio Argos de Literatura Fantástica, promovido pelo Clube de Leitores de Ficção Científica. A nova edição, pela Devir Brasil, mantém a bela ilustração de capa de Vagner Vargas, o mais experiente artista brasileiro de ficção científica, e corrige alguns problemas no texto da edição impressa, de 2013.

A edição em e-book está disponível na Amazon Brasil. Você pode ler uma prévia do livro aqui.

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Publicado o Segundo Romance da Série As Lições do Matador

Em outubro, a Devir Brasil, de São Paulo, colocou o romance Mestre das Marés, de Roberto Causo, em pré-venda na Amazon. A pré-venda foi até o dia 25 de outubro.

 

Arte de capa de Vagner Vargas.

Mestre das Marés é o segundo livro da série de ficção científica As Lições do Matador, seguindo Glória Sombria: A Primeira Lição do Matador, lançado em 2013. Traz uma aventura mais densa e uma situação mais estabelecida do que o livro anterior, que serviu para apresentar o protagonista Jonas Peregrino e a complicada situação política e estratégica em que ele é enfiado ao ser transferido para a região da galáxia conhecida como A Esfera.

Com uma forte arte de capa de Vagner Vargas, o livro tem 288 páginas, contra as 174 de Glória Sombria. Conta ainda com arte quarta capa do experiente artista brasileiro Bruno Werneck; arte de frontispício de R. S. Causo; e insígnias pelo designer Daniel Abrahão. A diagramação é de Tino Chagas.

O enredo trata de uma missão de resgate comandada por Peregrino. Uma estação espacial de pesquisa é destruída por naves-robôs tadais em um sistema fora da Esfera. Os cientistas e o pessoal técnico e de segurança refugia-se em um ex-gigante gasoso cuja atmosfera foi arrancada por jatos relativísticos lançados por um buraco negro. Nos subterrâneos desse mundo devastado, encontra-se uma máquina tadai capaz de anular a energia sísmica desencadeada pela catástrofe. Invadir as instalações da máquina e obter dados sobre ela torna-se a nova missão de Peregrino, e com o ansioso aval dos cientistas. Mas ha um esquadrão de robôs-exterminadores no caminho, e reforços inimigos a caminho…

Mestre dás Marés dá continuidade em grande estilo, à space opera militar que é a série As Lições do Matador, com combates em terra e no espaço, e uma intriga entre os cientistas que pode sabotar todos os esforços de Peregrino e seus comandados. Para complicar ainda mais, desde que testemunhou pela primeira vez a magnitude do poder do buraco negro Firedrake, Peregrino é atirado em um turbilhão de medo e insegurança.

 

Arte de Bruno Werneck.

 

O livro está à venda na Amazon.com.br.

 

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Conto “Tasmânia”, de Roberto Causo, Ganha Edição em e-Book

Por intermédio do editor Paulo Soriano, a Free Books Editora Virtual publicou agora o conto “Tasmânia”, de Roberto Causo, na sua primeira fornada de e-books gratuitos. A edição traz como ilustração de capa uma arte da pintora naturalista australiana Harriet Scott (1830-1907).

O conto, primeiro publicado na revista Pesquisa FAPESP N.º 118, de dezembro de 2005, trata de um biólogo brasileiro especialista em marsupiais, que integra como pesquisador visitante uma expedição à ilha da Tasmânia, no litoral da Austrália, em busca de um vislumbre do tigre da Tasmânia, animal extinto pela ação humana no início do século 20, mas que tem sido apontado por várias testemunhas ao longo dos anos, como ainda vivo nos sertões da Tasmânia.

Tasmânia está na série Nossos Autores, da Free Books, e pode ser baixado gratuitamente aqui, nos formatos Mobi, Epub e PDF. Paulo Soriano também teve a gentileza de incluir um anúncio de Shiroma, Matadora Ciborgue no site da Free Books. A editora traz autores brasileiros e estrangeiros, contemporâneos e clássicos. Roberto Causo agradece a Soriano por incluir Tasmânia em sua nova iniciativa editorial.

 

Arte de Harriet Scott.

Sem comentários até agora, comente aqui!

Leia a introdução do escritor Nelson de Oliveira fez para “Shiroma, Matadora Ciborgue”

Nelson de Oliveira é um dos escritores brasileiros mais renomados de sua geração — a Geração 90 —, autor de Subsolo Infinito, Babel BabilôniaPoeira: Demônios e Maldições, e duas vezes ganhador do Prêmio Casa de las Américas e do Prêmio da Associação dos Críticos de Arte. Nos últimos anos, tem se voltado para a ficção científica, escrevendo como “Luiz Bras” e assinando obras de relevância como a coletânea de histórias Paraíso Líquido e os romances Sozinho no Deserto Extremo e Distrito Federal. Oliveira tem acompanhado a evolução das séries Shiroma, Matadora Ciborgue e As Lições do Matador. De fato, não fosse por sua atuação como editor da antologia Futuro Presente e das revistas do Projeto Portal, talvez nenhuma das duas séries chegasse a existir. O texto abaixo é a introdução do livro de histórias Shiroma, Matadora Ciborgue (Devir; 2015).

 

Nelson de Oliveira. Foto de Tereza Yamashita

Nelson de Oliveira. Foto de Tereza Yamashita

 

Introdução

O conto “Rosas Brancas” foi um presente maravilhoso de Roberto de Sousa Causo para o nascente Portal Solaris (primeiro dos seis números do Projeto Portal). Esse conto dá início à arrebatadora série protagonizada por uma órfã — Bella Nunes — obrigada a crescer e sobreviver entre assassinos profissionais. Muito mais tarde, em sua primeira missão (“O Novo Protótipo”), Bella se transforma em Shiroma. Essa narrativa ambientada no bairro da Liberdade é uma de minhas prediletas. Enfim, tive a sorte de acompanhar, em primeira mão, o nascimento e o desenvolvimento de uma protagonista bastante incomum.

Na mesma época, a pesquisadora Regina Dalcastagnè, da Universidade de Brasília, divulgava seu estudo sobre o espaço social no romance tupiniquim, denunciando o nosso estereótipo de protagonista (homem branco, hetero, de classe média). Logo ficou claro que esse clichê ficcional também domina o conto brasuca. Shiroma veio combater essa tendência.

Shiroma é guerreira, mas às vezes aparece bastante fragilizada emocional e fisicamente, e esse é um ponto importante em toda a série. Isso humaniza a heroína ciborgue. E o recurso da concha do mar é genial. Suas aventuras nas Zonas de Expansão Humana são uma lufada de ar fresco no ambiente modorrento da literatura contemporânea. Shiroma é a contraparte necessária de Jonas Peregrino, outro importante protagonista criado pelo autor. Os dois habitam um universo físico e mental ampliado pela tecnologia mais inquietante. Mas vivem em planos opostos, apesar da sobreposição gravitacional. Shiroma e Peregrino são diferentes até na semelhança psicológica: ambos lidam com os conflitos morais mais complexos, quase indecidíveis.

A promessa de que um dia se encontrarão mexe com minha fantasia erótica. A matadora ciborgue e o comandante dos Jaguares:
amigos, antagonistas, amantes? Mal posso esperar.

Esta é uma coletânea densa, que merece mais de uma leitura. Reunidos, os onze contos que a compõem se iluminam, oferecendo muitas camadas secretas. Eles tecem ao redor de Shiroma um casulo de violência e nostalgia, uma jaula emocional cuja única chave pode estar nas lembranças despertadas por uma concha do mar.

—Nelson de Oliveira
São Paulo, outubro de 2015

 

selo_shiroma_baixa

Sem comentários até agora, comente aqui!