Tag Arquivo para Shiroma Matadora Ciborgue

Shiroma na Antologia “Trasgo Ano 1”

A primeira história de Shiroma, “Rosas Brancas”, está na antologia Trasgo Ano 1, organizada pelo editor e fundador da revista Trasgo, Rodrigo van Kampen.

 

A primeira antologia da revista Trasgo tem arte de capa de Kelly Santos.

Rodrigo van Kampen resolveu lançar em 2016 uma campanha de financiamento coletivo para uma antologia envolvendo as histórias significativas presentes no primeiro ano da revista eletrônica Trasgo, criada em 2014 e publicada a partir de Campinas, SP, dedicada à ficção científica e fantasia. A antologia foi lançada em 25 de novembro de 2017, em um bar na Rua Oscar Freire, diante da Estação Sumaré do Metrô e não longe de onde mora o escritor Roberto Causo — presente na antologia com a história de Shiroma, “Rosas Brancas”, e com o prefácio do volume.

O livro traz ilustração de capa de Kelly Santos e 26 histórias assinadas por Hális Alves, Karen Alvares, Marcelo Porto, Claudia Dugim, Melissa de Sá, Ana Lúcia Merege, Victor Oliveira de Faria, Jim Anotsu, George Amaral, Albarus Andreos, Cristina Lasaitis, Gael Rodrigues, Caroline Policarpo Veloso, Claudio Parreira, Tiago Cordeiro, Liége Báccaro Toledo, Jessica Borges, Fred Oliveira, Mary C. Muller, Ademir Pascale, Érica Bombardi, Gerson Lodi-Ribeiro, Enrico Tuosto, Lucas Ferraz e do próprio van Kampen — sem dúvida, um mostruário muito bom e diversificado, de autores da Terceira Onda da Ficção Científica Brasileira, temperado com alguns veteranos como o próprio Causo e seu contemporâneo, Lodi-Ribeiro.

O prefácio de Causo faz um apanhado da história das revistas de ficção científica no Brasil, e aponta o lugar possível da Trasgo no contexto do formato eletrônico, destacando justamente essa variedade e abertura:

“A revista de van Kampen supera tendências circunstanciais, círculos e cabalas dentro do campo brasileiro da FC e fantasia. Esta antologia é testemunho de tal abertura, ecletismo e generosidade profissional — derradeiramente, a única estratégia possível para representar a variedade do estado dessa literatura no Brasil.” —Roberto Causo.

Arte de capa e Jânio Garcia.

“Rosas Brancas” foi primeiro publicado na revista Portal Solaris (2008), editada por Nelson de Oliveira, e apareceu mais tarde na Trasgo N.º 3, em 2014. Foi a história de abertura do que se tornaria a série Shiroma, Matadora Ciborgue.

O lançamento ocorreu numa tarde calorenta de sábado, com uma feira de empreendedorismo ocorrendo na frente do local, com direito ao show de uma banda de rock. Causo encontrou-se com van Kampen, Claudia Dugim, e alguns escritores conhecidos mas que não estão na antologia: Marcelo Augusto Galvão e Fábio Fernandes. O primeiro livro de Rodrigo van Kampen, a novela fix-up Trabalho Honesto, uma ficção científica do tipo cyberpunk ambientada em Campinas, também estava sendo autografado. O livro tem capa de Jânio Garcia e ilustração de frontispício de Victor Strang. Faz parte de uma série de histórias com o mesmo herói, formando o universo ficcional O Legado dos Portais.

Depois da sessão de autógrafos, houve um debate sobre o estado da ficção científica e fantasia no Brasil, muito elogiado no Facebook.

 

Roberto Causo agradece a Rodrigo van Kampen pela oportunidade de escrever o prefácio da antologia Trasgo Ano 1.

 

Rodrigo van Kampen.

Claudia Dugim (centro) e Karen Alvares.

À esquerda: Marcelo Augusto Galvão e Fábio Fernandes.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Causo Fala Sobre o Filme “A Chegada”, na UNIFESP

Em 6 de novembro de 2017, Roberto Causo esteve no campus de Guarulhos da Universidade Federal  de São Paulo, para uma atividade da Semana do Inglês, dirigida aos alunos de graduação do curso de Inglês da Faculdade de Letras daquela universidade. O assunto foi o filme A Chegada (Arrival, 2016), dirigido por Denis Villeneuve, e a premiada noveleta do escritor sino-americano Ted Chiang que o inspirou, “História da sua Vida”.

 

 

O convite para falar no evento foi feito pela Prof.ª Suzanna Mizan, a quem Causo conheceu na pós-graduação na Faculdade de Letras da Universidade de São Paulo, em 2014. Os dois foram acompanhados pelo mesmo orientador, o Prof. Lynn Mário Trindade Menezes de Souza. Esta foi a primeira Semana do Inglês realizada na UNIFESP de Guarulhos. Depois da exibição do filme em DVD, Causo falou sobre suas implicações e sobre a noveleta.

O filme de ficção científica de Villeneuve foi muito bem recebido pela crítica e rendeu uma indicação ao Oscar para a protagonista, Amy Adams. A resposta foi tão positiva, que logo o diretor canadense foi chamado para dirigir Blade Runner 2049. Contudo, o projeto da adaptação cinematográfica da história de Ted Chiang é do roteirista Eric Haisserer.

 

Quanto a Ted Chiang, sua carreira começa em 1991, quando é indicado e recebe o Prêmio Nebula pela noveleta “A Torre da Babilônia” (“Tower of Babylon”), publicada na revista Omni. As duas histórias estão presentes no primeiro livro de Chiang publicado no Brasil, História da sua Vida e Outros Contos (Histories of your Life and Others), pela Intrínseca. O fato de ele publicar esporadicamente e de ainda não ter se dedicado à escrita de um romance assinala o seu desinteresse em ter uma carreira comercial na ficção científica. Nesse mesmo sentido, suas histórias são vistas como altamente literárias e arrojadas. Dificilmente alguns dos seus textos deixa de ser indicado aos principais prêmios do campo da FC.

“História da sua Vida” pertence a um subgênero bastante específico da ficção científica, as histórias de primeiro contato. Um exemplo disponível nas livrarias brasileiras é o romance clássico O Fim da Infância (1953), de Arthur C. Clarke.

Como FC, a história combina elementos de ficção científica hard (centrada nas ciências exatas), e ficção científica soft (centrada nas ciências humanas). No caso, seriam respectivamente a física ótica e física quântica, e a linguística e a filosofia, respectivamente. É claro que, tanto no filme quanto na noveleta, o componente mais saliente é a linguística, já que o enredo gira em torno da decifração de uma língua alienígena, por uma linguista americana, a Dr.ª Louise Banks. Causo lembrou que o primeiro contato entre uma cultura e outra é um fato da vida real, e que o Brasil é pródigo em primeiros contatos (entre nossa cultura e as diversas culturas indígenas que interagem conosco).

Uma outra oposição que foi tratada na apresentação, é aquela entre ficção de gênero e ficção literária. The Encyclopedia of Science Fiction (1993), de Peter Nicholls & John Clute faz inclusive uma distinção, “genre sf ” e “non-genre sf” para destacar o fato de que um trabalho de FC pode ser apresentado ou não como parte dou gênero, ou ter uma tônica popular ou comercial (ficção de gênero) ou não (literária). Obviamente, a escrita de Chiang é mais literária, mas fica claro que o filme buscou aspectos da ficção de gênero, aproximando-se do thriller para garantir viabilidade maior nas bilheterias.

Como uma FC mais literária, “História da sua Vida” apresenta características exemplares da ficção pós-modernista americana atual: ausência de enredo ou de intriga; a descrição de slices of life ou instantes da vida; uma prosa complexa e com algo de experimental; o tema da perda pessoal; o caráter metalinguístico ou metaficcional; a ênfase na memória e na psicologia; a projeção de um ethos universitário nos valores e na linguagem representados; e referências literárias (no caso, a Jorge Luis Borges).

A complexidade da prosa de “Historia da sua Vida” aparece no tempo verbal que funde pretérito perfeito e futuro do pretérito. Além disso e igualmente refletindo a premissa central da história — de que o aprendizado de uma língua alienígena em que o tempo é circular e não linear —, ocorre, no plano estrutural, um embaralhamento da ordem cronológica das situações narradas.

Por sua vez, o filme se aproxima da aventura e da ficção de gênero, mas busca ser artístico a partir de elementos cinemáticos centrados no flashback, na atmosfera, nos recursos fotográficos, no estranhamento visual, na profundidade emocional da performance dos atores, etc. Ele “compensa” a adoção de elementos mais aventurescos, com uma linguagem específica do cinema.

Metalinguagem é a linguagem que discute a linguagem, e claramente noveleta e filme possuem essa característica. Nas duas obras, a decifração da língua alienígena e o seu poder de mudar a cognição são explorados de maneiras bastante engenhosas. Quando essas reflexões se expressam no plano narrativo, elas também se apresentam como metaficção — uma ficção que discute, dramatiza ou desafia o nosso entendimento imediato do que é a ficção.

Muitas questões interessantes surgiram ao final da atividade, por parte de Suzanna Mizan e suas colegas. É claro, a hipótese de que a linguagem afeta a cognição é conhecida da área dos estudos linguísticos. Além disso, foi observado que a figura dos alienígenas no filme lembrava os seres imaginados por H. P. Lovecraft, talvez havendo aí um elemento crítico e subversivo, considerando o horror que elas inspiravam nos eruditos de Lovecraft, numa reação contrária (passado o estranhamento inicial) à da Dr.ª Banks e do seu colega, o físico Donnelly. Mais tarde, quando Causo lembrou que, no filme, a improvável casa que Banks tinha à beira do lago faz uma oposição de sentido com a paisagem rural tétrica em que uma das naves se manifesta, a mesma pessoa apontou uma conexão om o gótico americano, em que o ambiente rural é fonte de fatos ou coisas terríveis.

Outra colega notou que, na subtrama envolvendo o general chinês (exclusiva do filme), também está presente o tema da perda, já que é por saber das últimas palavras preferidas pela esposa moribunda do general, que Banks tem uma abertura para a simpatia e a colaboração dele.

Roberto Causo recebeu da Prof.ª Mizan um exemplar da edição americana pela Vintage, de Stories of Your Life and Others, e deixou com ela um exemplar de Shiroma, Matadora Ciborgue, e para a biblioteca da universidade, sua antologia Contos Imediatos (Terracota Editorial, 2009), e o livro de M. Elizabeth Ginway, Ficção Científica Brasileira: Mitos Culturais e Nacionalidade no País do Futuro (Devir Brasil, 2005). Um exemplar extra de Contos Imediatos foi entregue a uma aluna de pós-graduação interessada em explorar a ficção científica nos seus estudos.

Os presentes concordaram que o filme de Denis Villeneuve e a história de Ted Chiang são escolhas interessantes de estudo, e se aventou a hipótese da ficção científica como assunto integrar novos eventos acadêmicos na Faculdade de Letras da Universidade Federal  de São Paulo em Guarulhos, no futuro.

 

 

 

 

Roberto Causo agradece à Prof.ª Suzanna Mizan pela oportunidade de falar na UNIFESP.

 

A Profa. Suzanna Mizan (no centro) e suas alunas e colegas.

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Vídeo de Silvio César Sobre “Shiroma, Matadora Ciborgue”

 

O fã de quadrinhos e ficção científica Silvio César recomenda, no canal do Grupo Avançado no YouTube, a leitura do livro de Roberto Causo Shiroma, Matadora Ciborgue (Devir Brasil, 2015), destacando o tratamento psicológico e a qualidade humana da personagem.

 

Silvio César

Silvio César

 

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Ramiro Giroldo (da UFMS) resenha “Shiroma, Matadora Ciborgue”

O escritor Luiz Bras criou o blog Ficção Científica Brasileira como um guia de leitura e testemunho da existência da FC nacional, dirigido especialmente a quem duvida.

Desde a sua recente criação em dezembro de 2016, o blog já publicou mais de uma dúzia de resenhas — e uma lista de obras brasileiras de destaque, fornecida por várias personalidades da FC nacional de hoje.

Glória Sombria

Arte de Vagner Vargas

Em janeiro, o Prof. Ramiro Giroldo, da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, publicou duas resenhas do Universo GalAxis. A primeira, do romance Glória Sombria: A Primeira Missão do Matador, apareceu em 10 de janeiro.

Agora, no dia 15, foi publicada uma resenha de Shiroma, Magadora Ciborgue, na qual Giroldo registra o “completo domínio narrativo de Causo, que salta aos olhos na forma como a fabulação mantém um ritmo instigante e sem embaraços”, e ainda, como “Shiroma é uma representação positiva do feminino, capaz de evocar analogias com a circunstância autoritária imposta pelo patriarcado”.

Finalmente, a nova resenha também reconhece como a série Shiroma, Matadora Ciborgue destaca a “tradição literária da ficção científica explicitamente trazida à tona nas dedicatórias de algumas das narrativas, interessadas em homenagear autores como Fausto Cunha, Rubens Teixeira Scavone e Clark Darlton”.

 

 

Shiroma Matadora Ciborgue

Arte de Vagner Vargas

 

 

 

 

Sem comentários até agora, comente aqui!

Leia a introdução do escritor Nelson de Oliveira fez para “Shiroma, Matadora Ciborgue”

Nelson de Oliveira é um dos escritores brasileiros mais renomados de sua geração — a Geração 90 —, autor de Subsolo Infinito, Babel BabilôniaPoeira: Demônios e Maldições, e duas vezes ganhador do Prêmio Casa de las Américas e do Prêmio da Associação dos Críticos de Arte. Nos últimos anos, tem se voltado para a ficção científica, escrevendo como “Luiz Bras” e assinando obras de relevância como a coletânea de histórias Paraíso Líquido e os romances Sozinho no Deserto Extremo e Distrito Federal. Oliveira tem acompanhado a evolução das séries Shiroma, Matadora Ciborgue e As Lições do Matador. De fato, não fosse por sua atuação como editor da antologia Futuro Presente e das revistas do Projeto Portal, talvez nenhuma das duas séries chegasse a existir. O texto abaixo é a introdução do livro de histórias Shiroma, Matadora Ciborgue (Devir; 2015).

 

Nelson de Oliveira. Foto de Tereza Yamashita

Nelson de Oliveira. Foto de Tereza Yamashita

 

Introdução

O conto “Rosas Brancas” foi um presente maravilhoso de Roberto de Sousa Causo para o nascente Portal Solaris (primeiro dos seis números do Projeto Portal). Esse conto dá início à arrebatadora série protagonizada por uma órfã — Bella Nunes — obrigada a crescer e sobreviver entre assassinos profissionais. Muito mais tarde, em sua primeira missão (“O Novo Protótipo”), Bella se transforma em Shiroma. Essa narrativa ambientada no bairro da Liberdade é uma de minhas prediletas. Enfim, tive a sorte de acompanhar, em primeira mão, o nascimento e o desenvolvimento de uma protagonista bastante incomum.

Na mesma época, a pesquisadora Regina Dalcastagnè, da Universidade de Brasília, divulgava seu estudo sobre o espaço social no romance tupiniquim, denunciando o nosso estereótipo de protagonista (homem branco, hetero, de classe média). Logo ficou claro que esse clichê ficcional também domina o conto brasuca. Shiroma veio combater essa tendência.

Shiroma é guerreira, mas às vezes aparece bastante fragilizada emocional e fisicamente, e esse é um ponto importante em toda a série. Isso humaniza a heroína ciborgue. E o recurso da concha do mar é genial. Suas aventuras nas Zonas de Expansão Humana são uma lufada de ar fresco no ambiente modorrento da literatura contemporânea. Shiroma é a contraparte necessária de Jonas Peregrino, outro importante protagonista criado pelo autor. Os dois habitam um universo físico e mental ampliado pela tecnologia mais inquietante. Mas vivem em planos opostos, apesar da sobreposição gravitacional. Shiroma e Peregrino são diferentes até na semelhança psicológica: ambos lidam com os conflitos morais mais complexos, quase indecidíveis.

A promessa de que um dia se encontrarão mexe com minha fantasia erótica. A matadora ciborgue e o comandante dos Jaguares:
amigos, antagonistas, amantes? Mal posso esperar.

Esta é uma coletânea densa, que merece mais de uma leitura. Reunidos, os onze contos que a compõem se iluminam, oferecendo muitas camadas secretas. Eles tecem ao redor de Shiroma um casulo de violência e nostalgia, uma jaula emocional cuja única chave pode estar nas lembranças despertadas por uma concha do mar.

—Nelson de Oliveira
São Paulo, outubro de 2015

 

selo_shiroma_baixa

Sem comentários até agora, comente aqui!