Revista “Wired” publica especial de ficção científica

A edição de janeiro de 2017 da Wired, a revista número 1 do mundo em TI, é a sua primeira edição especial de ficção científica. Também nas bancas, brasileiro Mike Deodato Jr. ilustra quadrinhos de Star Wars.

 

Arte de capa: Christoph Niemann

Scott Dadich, o editor-chefe da Wired, comenta no editorial que “uma das funções mais importantes da publicação é enxergar as grandes tendências, notar importantes modelos de negócio e fazer a crônica de marcos de inovação”. Mas isso tem se tornado difícil em razão da velocidade das transformações em um “momento agressivamente agitado”.

A revista então voltou-se para um número de escritores de ficção científica, buscando insights sobre os resultados futuros de transformações que eles mal conseguem divisar atualmente. Escritores foram contactados, e a revista pediu que extrapolassem a partir de uma “inovação ou mudança plausível”, buscando um instantâneo do futuro próximo.

Os escritores que aparecem na edição especial são Matt Gallagher, John Rogers, Charlie Jane Anders, Etgar Keret, Charles Yu, N. K. Jemisin, Malka Older, Jay Ruben Dayrit, Glen David Gold, Kevin Tong e James S. A. Corey — este, o autor dos livros que deram origem à série da Netflix, The Expanse.

Cada uma das onze histórias é ilustrada, e entre os ilustradores está Josan Gonzales, que produziu a arte de capa da nova edição do romance clássico da FC cyberpunk Neuromancer, de William Gibson, pela Editora Aleph. Na revista, Gonzales ilustra a história de Anders, “Stochastic Fancy”.

A Wired costuma chegar às bancas e revistarias das grandes cidades brasileiras, e o meu exemplar eu adquiri na banca aqui perto de casa. O leitor também a encontra disponível online. A página  dá acesso a quatro outras histórias, oferecidas pela revista como um “bonus”.

A iniciativa reforça o papel de batedora, que tem a ficção científica extrapolativa, e é mais uma instância de revistas de divulgação de ciência e tecnologia — e até de publicações acadêmicas — que recorrem ao gênero para estimular seus leitores a pensarem nos desenvolvimentos futuros na área da tecnologia. Outros exemplos são a revista Popular Science, e o MIT Technology Review, que publicou nos últimos anos três antologias da série Twelve Tomorrows, editadas por Bruce Sterling.

A moda devia pegar no Brasil, que precisa difundir visões científicas e tecnológicas instigantes, que vão além do consumo de smartphones e aplicativos.

–Roberto Causo

 

A revista Popular Science N.º 283 trouxe uma seção de textos de autores de FC, lindamente ilustrada

Arte de Virgil Finlay

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais, nas Bancas

 

Arte de Salvador Larroca & Edgar Delgado

A outra novidade de janeiro nas bancas está na nova fase das revistas de quadrinhos Darth VaderStar Wars, da Panini Comics, marcada pelos desenhos do artista brasileiro Mike Deodato Jr. A mudança aconteceu a partir do N.º 012 da revista Darth Vader, e Deodato ilustra o roteiro de Jason Aaron (que partilha o argumento da história com Kieron Gillen). A capa é da dupla Salvador Larroca & Edgar Delgado.

A história escrita por Aaron se chama “A Queda de Vader” e é apresentada como Livro III, Parte I do ciclo de histórias sendo desenvolvido na revista. É tudo meio maluco porque as partes se alternam com outra revista, a Star Wars N.º 012, e seguem assim, em tanden. A capa dessa edição de Star Wars, com arte de Mark Brooks, acabou sendo uma bonita homenagem à atriz Carrie Fisher, que faleceu no finalzinho de 2016. Ela foi, é claro, a Princesa Leia nos filmes da franquia.

A arte de Mike Deodato, um dos astros internacionais da Marvel (a empresa que publica os quadrinhos de Star Wars nos Estados Unidos), é fina e detalhada — o que é uma absoluta necessidade, quando se trabalha com Star Wars, com tantas fisionomias, naves armas e paisagens conhecidas dos fãs. Deodato sempre teve algo de fotográfico nas fisionomias, luz e sombra e até nas poses dos personagens, reminiscente do trabalho de Al Williamson. Por conta disso, aqui a história está mais realista do que a média, em se tratando de Star Wars em quadrinhos. Essa qualidade é reforçada ainda mais pela cor digital de Frank Martin Jr. O resultado é deslumbrante, um colírio para os olhos.

 

Abrindo Caminho no Muque

Arte de Mark Brooks

Quando eu era adolescente, na década de 1980, e comprava avidamente fanzines de quadrinhos, o paraibano Mike Deodato já era um desenhista muito ativo na área, assinando obras como o deslumbrante álbum 3000 Anos Depois (republicado em 2015 pela Opera Graphica), como Deodato Borges.

O status de Mike Deodato hoje como desenhista internacional, nome de peso na indústria dos quadrinhos de super-heróis, é imenso. Tem livros dedicados à sua arte, como Mike Deodato Jr. Sketchbook e The Marvel Art of Mike Deodado Jr. No Brasil, em 2016 a Zupi N.º 49 dedicou sua capa a ele. Uma longa entrevista com o artista, no seu interior, foi o destaque dessa edição da revista sobre design, ilustração e arte digital.

 

Artistas Conhecidos, na ImagineFX de Janeiro

Embora seja bem cara, a revista inglesa ImagineFX chega regularmente a algumas bancas brasileiras. Eu às vezes arrisco adquirir um exemplar, como o N.º 143, edição de janeiro de 2017. A revista, que se apresenta como a N.º 1 entre os artistas digitais, tem sempre um núcleo temático. Neste caso, a ilustração de livros.

Arte de Mike Deodato

Entre os destaques estão uma olhada no estúdio do artista Tony DiTerlizzi, num texto de duas páginas escrito por ele, e dicas de composição dadas por Jon Foster — um capista de quadrinhos e livros que costuma criar composições incomuns, com movimentos e borrões que são sua marca registrada e que rompem com o realismo subjacente a essas ilustrações. Foster consegue dar um ar muito moderno a uma base que se ancora na ilustração tradicional americana. Um mestre que costuma visitar as páginas do catálogo número 1 da área da FC e fantasia, Spectrum.

O mais interessante para o leitor brasileiro, porém, deve ser o perfil do artista francês Marc Simonetti, visto por aqui em best-sellers e obras de destaque as livrarias brasileiras, como os romances de George R. R. Martin das famosas Crônicas de Gelo e Fogo, os de Timothy Zahn da Trilogia Thrawn (publicados pela Editora Aleph), e a formidável Trilogia do Assassino, de Robin Hobb.

Simonetti se declara um “geek, fã de quadrinhos, fantasia e ficção científica”, e no perfil ficamos sabendo que ele trabalhou ilustrando outras obras de peso como Duna (com um passo a passo reproduzido na revista), Deuses Americanos e A Espada de Shannara. Revela o seu caminho do sucesso: trabalha todos os dias e o dia todo, não importando se tem uma encomenda ou não.

A ImagineFX sempre traz uma seção com imagens de artistas iniciantes do mundo todo (do Brasil inclusive), a “Reader FXPosé”, e outra com imagens não digitais, a “FXPosé Traditional”.

–Roberto Causo

Arte de Tommy Arnold

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *