35 Anos do Universo da Tríade, de Jorge Luiz Calife

Em janeiro de 1985, a Editora Nova Fronteira, do Rio de Janeiro, lançou o romance de ficção científica Padrões de Contato: Trilogia Padrões de Contato 1, de Jorge Luiz Calife — a mais longeva série de space opera e FC hard do Brasil, existindo há 35 anos.

 

Arte de capa de Ingrid Von Steurer & Gilberto Zavarezzi.

Romance ágil e desenvolvido com elegância, pleno de sense of wonder, explorando o tema do primeiro contato com uma super-inteligência alienígena, com conhecimento científico e tecnológico sólido e uma rica história do futuro como pano de fundo, Padrões de Contato teve um grande impacto na jovem comunidade brasileira de ficção científica. Influenciada por figuras de peso da ficção científica hard como Arthur C. Clarke e Larry Niven, a obra de Calife parecia moderna, otimista e visionária ao leitor brasileiro. Com esse romance tratando da integração da humanidade à Comunidade Galáctica e das intervenções da superinteligência conhecida como Tríade, ele meio que atualizou agudamente a FC brasileira, quanto ao idioma próprio do gênero. Ao mesmo tempo, o formato episódico do romance (um fix-up de narrativas inéditas selecionadas por Calife ao longo dos anos), com grandes lapsos temporais e alternâncias no elenco de personagens. soava ousado e dinâmico.

A qualidade da especulação científica e tecnológica, e a elegância da narrativa, transformou Calife em um colaborador privilegiado de revistas masculinas como EleEla e Playboy, levando repetidamente a FC nacional às suas páginas de papel brilhante.

Arte de capa de Nelson Lopes.

Logo depois, em 1986, a Nova Fronteira lançou Horizonte de Eventos: Trilogia Padrões de Contato 2, uma aventura de foco mais estrito e com mais suspense e ação, retratando como a Comunidade Galáctica se vê ameaçada por alienígenas belicosos que põem em cheque a sua utopia hipertecnológica. Das obras de Calife, é a mais integrada à space opera, e a que mais questiona a viabilidade da sua sociedade cósmica bem resolvida, democrática e hedonista — talvez seguindo a deixa de histórias de Larry Niven como “The Warriors” (1966), parte do seu universo Tales of Known Space.

Ao contrário de Padrões de Contato, possui um arco narrativo mais uniforme e tenso. Horizonte de Eventos, mais bojudo que o primeiro livro, também oferece pela primeira vez uma alegoria satírica do Brasil dos anos da ditadura militar, ainda tão vívidos na memória em 1986, com a nave de gerações B.R.A.S.I.L., vagando perdida há séculos no espaço e vítima de um golpe paramilitar — um anacronismo tão grotesco na Comunidade Galáctica, quanto os alienígenas invasores nictianos.

Publicado apenas em 1991, Linha Terminal: Padrões de Contato III saiu pelas Edições GRD de Gumercindo Rocha Dorea, fechando a trilogia com o retorno a um formato mais breve, repleto de homenagens a filmes e livros da FC internacional, e agregando viagens no tempo que conduzem o leitor ao reencontro de uma personagem desaparecida no primeiro livro, Michelle Darrieux, e à revelação das inteligências por trás da Tríade, os djestares.

No mesmo ano, Calife também publicou o conto “A Sereia do Espaço” na Isaac Asimov Magazine: Contos de Ficção Científica N.º 20, levando, com ele, o Universo da Tríade aos leitores da revista. Outros contos desse universo ficcional chegaram ao século 21 aparecendo na primeira coletânea do autor, As Sereias do Espaço (2001), pela Record, e, no mesmo ano, na revista Quark, fundada por Marcelo Baldini, e em antologias como Como Era Gostosa a Minha Alienígena! Contos Fantásticos Eróticos (2002), editada por Gerson Lodi-Ribeiro. Em 2012, a Devir Brasil incluiu uma cronologia do Universo da Tríade na segunda coletânea de Calife, Trilhas do Tempo, com introdução do escritor Clinton Davisson.

Arte de capa de Vagner Vargas.

Graças ao interesse do editor Douglas Quinta Reis (1954-2017) a Devir também reuniu os três romances previamente publicados, no primeiro volume “omnibus” da ficção científica brasileira, Trilogia Padrões de Contato (2008), com introdução de Marcello Simão Branco, outro admirador da obra de Calife, e capa e ilustrações internas de Vagner Vargas.

Em 2010 a Devir Brasil publicou o romance Angela entre dois Mundos, também com capa de Vargas, e quarto romance do Universo da Tríade. Ambientado antes da protagonista central do universo, Angela Duncan, ter se tornado imortal por graça da Tríade, envolve a busca da heroína por sua mãe, desaparecida no espaço, juntamente com a tripulação e os outros passageiros de uma luxuosa astronave de cruzeiro.

A ficção científica hard é aquela mais adepta de temas científico-tecnológicos, e embora ela tenha existido na década de 1970 e começo da de 1980 no Brasil — em obras de José Maria Doménech T., Gerald C. Izaguirre, Fausto Cunha e Fabrizio Pugno —, o Universo da Tríade de Calife se destaca — a ponto de Gerson Lodi-Ribeiro chamá-lo de “Pai da FC Hard Brasileira”.

Jornalista científico com longa passagem, na década de 1980, pelo Jornal do Brasil, Calife também foi autor do livro de não ficção Espaçonaves Tripuladas: Uma História da Conquista do Espaço (2000), escrito com Cláudio Oliveira Egalon e Reginaldo Miranda Júnior.

Antes que se falasse em empoderamento feminino e representatividade de gênero na ficção científica brasileira, a literatura de Jorge Luiz Calife no Universo da Tríade priorizava protagonistas femininas. Além de Angela Duncan, outras personagens importantes imortalizadas pela Tríade são Luciana Villares e Dafne Duncan, neta de Angela e dona de um destino trágico. Charmosas e distantes, juntas elas meio que expressam não apenas o poder e o mistério femininos, mas algo dos mistérios do próprio universo.

—Roberto Causo

 

Arte de capa de Vagner Vargas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *